Números de telefone inglês

Exemplos de uso para 'número de telefone' em inglês Essas frases provêm de fontes externas e podem ser imprecisas. bab.la não é responsável por esse conteúdo. Portuguese Eles então dizem onde fica, quais são os preços, a morada, o número de telefone , etc. Traduções em contexto de 'números de telefone' en português-inglês da Reverso Context : Não é permitido aceitar números de telefone. Decimais em Inglês. Os números decimais em inglês utilizam um ponto, e não uma vírgula, para separar o número inteiro do restante. Para falar os números decimais, deve-se ler o valor inteiro, quando houver, seguido pela palavra 'point' (ponto) e pelos dígitos individuais. Quando houver um zero antes do ponto, ele não deve ser falado. Nessa aula aprenderemos os números em inglês. Você usa os números para falar de idade, telefone, dinheiro, onde você mora, datas e etc. Baixe o PDF: Lesson #03 – Números Números em Inglês de 0 a 10. Como dito anteriormente, os números de 0 a 10 são considerados números básicos, haja vista que a composição desses números irá auxiliar a formação de outros mais complexos. É importante pontuar que o número 0 possui diferentes pronúncias de acordo com o tema em que estiver sendo abordado. Os números que correspondem à números de telefone, são falados separadamente em inglês. Mas se houver uma sequencia de números repetidos, esses sim são falados de uma forma diferente. Simplificando, tomamos como exemplo o número: 7254-9901. Ele fica assim: seven, two, five, four, double nine, zero, one. Números em inglês de 100 a 999. Perceba que o número 100 pode ser falado de duas formas, todas são bastante utilizadas na linguagem cotidiana. A partir do número 101, falamos apenas os números sem mudanças de formato. Confira: 101 – one hundred one 102 – one hundred two 103 – one hundred three 104 – one hundred four 105 – one ... Muitos exemplos de traduções com 'números de telefone' – Dicionário inglês-português e busca em milhões de traduções. De longe a pior opção é continuar com o numero Português continuar a pagar roaming durante meses. Parece incrível mas conheço com já o tenha feito. Já que estamos a falar de números convém falar do indicativo Inglês +44. Números em inglês de 0 a 100. Para começar a estudar os números em inglês, precisamos lembrar que os números de 1 a 9 são essenciais para formar os demais: 1: one; 2: two; 3: three; 4: four; 5: five; 6: six; 7: seven; 8: eight; 9: nine. Antes deles, temos o 0, que pode ser chamado tanto de zero quanto de o (o som da letra O).

U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 1: Mudanças e chegadas]

2020.09.20 14:53 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 1: Mudanças e chegadas]

Olá amigos. No post anterior introduzi levemente o espírito desta série, e este é o primeiro capítulo "a sério" da série. Este capítulo versa sobre o processo de preparação para a mudança e o "primeiro embate" da chegada ao novo país; que assuntos tive que tratar imediatamente antes de me mudar, assim como assim que cheguei. Como tenho dito, esta experiência é pessoal, e é importante que entendam que não se aplicará certamente a todos. Riam-se, chorem, e deixem os vossos pensamentos na caixinha em baixo.
Ao longo do texto vão ver uns números entre parênteses rectos ([XXXX]). Isto são referências que estão por extenso perto do fim do post, na secção apropriadamente denominada "Referências".

Take-Aways Principais

Eu gosto de ter uns bullet points com as ideias principais que se devem reter de cada capítulo, uma espécie de "se não leres mais nada, lê isto" do capítulo. Os deste capítulo rezam assim:
Os detalhes estão no texto por aí abaixo.

A odisseia do trabalho científico em Portugal

Já alguma vez tiveram aquele sonho em que querem gritar e não conseguem? Aquela sensação quase infantil de impotência, do pavor da inacção e do pasmo em relação ao que quer que seja que se está a desenrolar à nossa frente? Ou aquele em que querem esmurrar alguém mas não acontece nada? A sensação de impotência é, pessoalmente, das piores que podemos ter; a de querermos fazer alguma coisa, acharmos que sabemos o que fazer e não conseguirmos.
Trabalhar no tecido académico e de micro-empresas português (vulgo technology transfer) é um bocadinho assim. Por mais que um gajo se esforce, é muito difícil escapar à subsidio-dependência, à chico-espertice, à mediocridade, à inexperiência, à falta de processo e, acima de tudo, à falta de recursos. Por bom que seja o sonho, por interessante que seja o projecto, por positivo que seja o ambiente de trabalho, por porreiros que sejam os colegas, há uma sensação latente de "isto não vai dar para construir uma carreira". Isto torna-se particularmente agudo quando se trabalha numa área de tecnologia de ponta, para a qual inevitavelmente o mercado português está pouco desenvolvido. Não havendo mercado, a empresa vira papa-projectos e passa a viver de fundos comunitários, QRENs, COMPETEs, H2020s e coisas que tal. O tempo que se devia gastar em desenvolvimento é gasto a tentar convencer revisores de projectos a darem-nos mais uma esmola, e todos os projectos são uma corrida ao fundo: como é que conseguimos fazer esta omelete bonita com muito poucos ovos? Será que precisamos mesmo de duas pessoas para fazer isto, não dará só uma? Certamente o equipamento X também dá para este projecto.
Um aspecto particularmente doloroso neste ambiente é a altíssima rotatividade dos colegas. Quando se trabalha nestas condições tende-se a depender de recursos precários: bolseiros de investigação, estágios IEFP, estágios profissionais, estágios académicos, e por aí fora. Isto torna imediatamente impossível treinar alguém para fazer alguma coisa de jeito, e dei por mim a ensinar 3 ou 4 pessoas a fazer a mesma coisa em ocasiões diferentes ao longo dos anos. Nunca ninguém fica e toda a gente parte para outra, seja porque a empresa não lhes pode pagar, ou porque são incompetentes demais para nos darmos ao trabalho de lhes tentar arranjar financiamento. As caras e os nomes confundem-se numa espécie de groundhog day tecnológico em que cada ano que passa temos as mesmas conversas. Um tipo que vá ficando, ora porque é bom ou porque é teimoso, vai dando por si a avançar na idade ao mesmo tempo que os colegas não. A certo ponto, todos os meus colegas eram pelo menos uns 4 ou 5 anos mais novos que eu; ora se até eu quase nem tinha barba (hipérbole), então eles estavam mais verdes que as bananas da Costa Rica quando chegam ao Continente.
Quando me perguntam porque é que os portugueses têm tendência a se dar bem lá fora, aponto-os sempre para as condições em que somos habituados a fazer trabalho world-class. As publicações a que submetemos artigos não querem saber das nossas dificuldades; querem papers de qualidade. As agências de financiamento não querem saber de rotatividade, querem saber de know-how, track record e orçamentos. O trabalho que temos que entregar para sobreviver tem que ser de topo, ao mesmo tempo que as condições são de fundo. Pega-se num tipo habituado a isto, senta-lo numa cadeira de 300€, dá-se-lhe 3 monitores e um portátil que dava para comprar um carro, e é natural que o desempenho seja incrível.
Eu não me considero um perfeccionista (e acho que quem se considera perfeccionista pensa demais de si próprio) mas procuro estar numa constante curva ascendente no que toca à qualidade do meu trabalho. Umas vezes a curva é mais inclinada, outras vezes é menos inclinada, mas a cada dia estar um bocadinho melhor que no dia anterior. Aliás, quem me conhece sabe que esse é um traço que aplico em quase tudo: no trabalho, na vida, no desporto, etc. Antes de me mudar sentia que tinha batido no tecto da qualidade do que podia entregar. O meu esforço era máximo e o factor limitador da qualidade da entrega era a forma como o trabalho que eu tinha para fazer era entregue. Não havia tempo suficiente para inovação, era preciso planear de forma irrealista (e entregar de forma irrealista) para se conseguir fazer o malabarismo de todos os projectos. A constante mudança de contexto comia horas todos os dias.
A ética de trabalho portuguesa é, geralmente, horrível. Se eu trabalhei as minhas 8h, entreguei o que tinha para entregar e não tenho horário de trabalho, então vou sair às 16h. Ou chegar às 10h. Geralmente, fazer menos que 9-19 é mal visto, e eu fui sempre muito vocal (se calhar de forma prejudicial para mim próprio) acerca do quão estúpido isso me parece. Cheguei a ouvir algo semelhante a "tu és daqueles gajos que vão de férias desaparecem do mapa". Não é esse o objectivo das férias?

Um dia destes decidi mudar-me para o UK

Então um dia desatei a mandar CVs por esse mundo fora, a ver o que colava. Inevitavelmente, apareceram-me várias ofertas interessantes, a melhor das quais no UK. Contas feitas, a oferta praticamente multiplicou o meu salário bruto por 5 (talvez um bocadinho mais), empurrando-me de um salário mediano em Portugal para um salário bastante acima da média no UK. Esta é daquelas particularidades a que me refiro quando digo que a minha experiência é extremamente pessoal: eu tive a sorte de gostar e ter talento para trabalhar nesta área, e a dupla sorte de ser uma área em que simultaneamente há muita oferta e pouca procura de trabalho. Meio ao calhas cultivei um skillset muito valioso, ou que consegui vender bem. Infelizmente, para manter esta conta dissociada da minha identidade não vos posso especificar qual é; somos poucos, tornava-se muito fácil encontrar-me pelas publicações.
Curiosamente, está agora (à data da escrita) a fazer um ano que me decidi mudar. Nessa altura, a maior preocupação de quem se mudava para o UK era o Brexit, mas houve uma série de factores que me acalmaram:
Acerca deste último: ser estrangeiro no UK ou ser em qualquer outra parte é, para mim, semelhante. Então, se o Brexit por alguma razão resultasse numa perseguição aos estrangeiros, ou numa forte desvalorização da libra, etc, a minha situação ainda assim seria melhor que antes. Teria um CV mais rico, experiência adicional na indústria, e dinheiro no banco, tudo factores que facilitariam a mudança para um país terceiro.
Portanto com os factores políticos resolvidos por ora, e com a família a apoiar, lá me decidi.
Lá vim eu.

Preparação

A preparação para a mudança dividiu-se em:
Para benefício máximo meu e das duas empresas envolvidas, decidi reservar apenas umas 3 semanas sem trabalhar para tratar de tudo. Arrependi-me profundamente: devia ter fodido uma das empresas (a velha, potencialmente) e tido mais tempo para mim e para os meus. Naturalmente, houve muito que pude fazer enquanto trabalhava, como tratar da documentação. A logística foi um pesadelo; tive que esvaziar o apartamento em 2 dias e encontrar forma de arrumar tudo o que tinha na minha casa de família. Uma boa parte ficou por fazer pois queria passar tempo com a família em vez de arrumar merda. Tive que denunciar o contrato de arrendamento, da energia, da água e das telecomunicações. Obviamente, a Vodafone foi a mais merdosa no meio disto tudo, primeiro porque queriam que pagasse a fidelização (tive que demonstrar que vinha para o estrangeiro), e depois porque queriam cobrar o equipamento apesar de o ter entregue a horas e em boas condições. Típica escumalhice de telecom portuguesa, nada de novo.
A preparação legal foi mais cuidada. Para referência, a documentação que preparei foi:
Também nomeei (por procuração) um representante legal em Portugal. Inicialmente pareceu-me overkill, e apenas o recomendaria se tiverem alguém que seja de muita, muita confiança. Mas para mim tem sido muito útil, pois essa pessoa pode-me substituir em qualquer todos os compromissos, requerer a emissão de documentação em meu nome, transaccionar os meus bens (tipo vender o carro velho) e negociar em meu nome com as telecoms quando se armam em parvas (ver Vodafone acima). A pessoa que ficou com esta responsabilidade é da minha absoluta confiança, mas mesmo assim é um compromisso que deve ser mantido debaixo de olho e apenas pelo tempo necessário.
Às tantas perguntei-me "sua besta, já pensaste em quanto dinheiro vais gastar?" Bom, através de uma combinação de salário baixo e escolhas financeiras pouco saudáveis (que reconheço mas não quero detalhar), as minhas poupanças resumiam-se a uns míseros 2000€. Amigos, 2000€ não é dinheiro nenhum. Precisava de mais. Pelas minhas contas, e porque não vinha sozinho, precisaria de cerca de 15000€ para fazer isto com algum descanso, ainda que não conforto.
Lembram-se de quando tivemos uma crise "once in a lifetime" em 2008? Aquela da qual vamos ter saudades agora em 2021? Essa mesmo. Uma consequência engraçada dessa crise foi que as pessoas se habituaram a fazer crédito ao consumo, e os bancos habituaram-se a emprestar dinheiro como quem dá cá aquela palha, já que o Estado depois os resgata e ninguém vai preso. Como sempre trabalhei, paguei os meus impostos e nunca tive dívidas, pude pedir um crédito pessoal para pagar a mudança inicial. 15k no banco, check.
Obviamente não o gastei todo, e a empresa para onde fui trabalhar devolveu-me uma esmagadora parte do que gastei através de um fundo de "relocation expenses". A empresa pagou (mas eu tive que adiantar):
Em cima disso, paguei eu:
Admito que fiz algumas escolhas controversas, e houve muito dinheiro perdido em conversão de moeda. Podia ter ficado fora da cidade enquanto procurava apartamento, podia ter comprado mobília mais barata, podia ter dormido no chão, podia ter comprado malas mais baratas, podia ter andado de comboio em vez de alugar carros quando precisei. Mudei-me de uma forma que considero "medianamente confortável": não o fiz luxuosamente, mas dei-me ao luxo de trazer a Maria, de não ter que partilhar casa e de evitar largamente transportes públicos. Com o dinheiro que a empresa me devolveu constituí um fundo de emergência. Não liquidei logo a dívida porque entendo que é mais importante ter um fundo de emergência do que estar debt-free (mais sobre isso daqui a um post ou dois).
São escolhas. Emigrar é caro, amigos. Conheço quem o tenha feito com 200€ no bolso, mas não é confortável e não quero isso para mim.
Praticamente foi tudo pago através do Revolut. Criei uma conta pouco antes de vir, comprei o premium para não ter limites de conversões, e usei. Inclusivamente recebi lá o primeiro salário enquanto não criei a conta no banco.
A preparação emocional foi a menos complicada. O meu núcleo duro é relativamente pequeno, e toda a gente estava preparada há muito tempo para que eu "fugisse"; era conhecido praticamente desde que tinha começado o PhD que a minha área não era viável em Portugal, e que estava revoltado com a ética de trabalho merdosa. Naturalmente a minha mãe não gostou da ideia, mas são coisas da vida. Ainda assim, um conselho: não se armem em fortes e não descuidem a preparação psicológica/emocional que é necessária para este tipo de viagem. Eu sei que pessoas diferentes têm níveis de resiliência diferentes, mas o português tem muito a mania de achar que é o maior; cuidado com isso. Além disso, não deixem que estas preparações vos tomem todo o tempo que têm; guardem tempo para estar com a família, para lazer, e para descansar. Eu deixei-me consumir um pouco e não foi bom.

Como não ser sem-abrigo

Aterrei em meados de Setembro num dia nublado com duas malas de 30kg, uma mochila para mim e outra para a Maria, e a convicta certeza de que me estava a foder. Tinha cerca de 2.5 semanas até começar a trabalhar, e até lá a missão era só uma: encontrar um apartamento. Há muito para dizer acerca da habitação no UK, vou escrever um post só para isso e por isso aqui vou focar apenas na experiência do recém-chegado.
Eu decidi que não estava disposto a arrendar pelo privado; iria sempre através de uma agência imobiliária. Como não tinha tanta familiaridade com o mercado nem com a legislação, achei que seria mais seguro ir por essa via mais cara e minimizar a possibilidade de ser ludibriado. Recomendo vivamente. Então comecei a encetar contactos por telefone para marcar visitas a apartamentos.
E aí bateu-me.
Eu não conseguia perceber nada do que estes caralhos diziam ao telefone. NADA. "Ahka hrask apfiasdafsd duja sudn" diziam eles, e eu "sorry, I have a really bad connection, could you repeat that?" e eles lá repetiam mais calmamente "G'mornin, how can I help you today?". Muita vez disse eu que tinha pouca rede, a ver se eles abrandavam um bocadinho. E funciona! Top tip: se estiverem a tentar perceber o que eles dizem por telefone, queixem-se da ligação; o serviço móvel no UK é tão mau que eles vão na conversa.
Agora, eu sei falar inglês, ok? Naveguei perfeitamente bem as entrevistas, tenho dúzias de publicações em inglês "impecável", e trabalho em inglês há anos e anos. O problema é o seguinte: falar inglês enquanto se trabalha e escrever coisas em inglês são ambos experiências muito diferentes da de tentar falar com um nativo com sotaque, que assume maneirismos e expressões que não conhecemos, sobre locais que não conhecemos e dentro de um sistema (de arrendamento) que não conhecemos, tudo isto por telefone e sem poder ler nos lábios nem ler expressões corporais.
Com algum desenrascanço tipicamente português fui enchendo os dias de visitas a apartamentos na zona. Num dos dias aluguei um carro para ir ver apartamentos numa cidade vizinha (onde até acabei por ficar), algo que recomendo vivamente. Durante essas semanas vimos facilmente uns 25 apartamentos, talvez mais. As primeiras impressões foram:
(Um aparte acerca da alcatifa: se tiverem uma casa toda alcatifada comprem um robot aspirador de qualidade e aspirem todos os dias, até mais do que uma vez. A vossa qualidade de vida vai aumentar 1000 vezes.)
Escolhido o apartamento, fizemos uma oferta/candidatura. Oferecemos o valor que o senhorio pedia e, já tendo falado com muitos agentes, ofereci-me para pagar o contrato inteiro de 6 meses no dia da entrada. O que se seguiu foi um processo que, para mim, era completamente estrangeiro: o de "referencing" do potencial arrendatário. Pediram-me as moradas anteriores até 3 anos e os contactos dos senhorios, assim como a minha morada de família permanente e (muitos) dados pessoais. Essa informação foi usada para verificar que eu não era um impostor, e para verificar que tinha o hábito de pagar a renda. Ligaram para a minha antiga senhoria portuguesa, uma senhora de 82 anos, a perguntar se eu pagava a renda. Por mero acaso ela fala inglês (foi investigadora) e soube-lhes dar resposta, mas achei a atitude absolutamente desnecessária. Lembro-me de me sentir ofendido; "mas estes filhos da puta acham que pagar 6 meses à cabeça não chega?"
Seguiu-se um contrato de arrendamento para uma Assured Shorthold Tenancy [1], que é a modalidade "normal" de arrendamento para habitação por aqui. O agente imobiliário tratou de toda a papelada, mas eu tirei um dia para ler todo o contrato e verificar se batia certo com o que conhecia da lei daqui, o que recomendo vivamente. Atenção que a partir de meados de 2019 as taxas cobradas pelos agentes imobiliários passaram a ser limitadas por lei [2], por isso se vos pedirem alguma taxa administrativa mandem-nos sugar no pénis mais próximo. Na altura disseram-me que o normal, antes dessa mudança, seria o arrendatário pagar uma taxa de 700 libras à imobiliária pelo serviço. Era matá-los.
Assinado o contrato, ficou fixada uma data para entrada no apartamento. O valor a pagar é esperado nesta altura, no momento imediatamente precedente à entrega das chaves, o que significa que é preciso ter esse dinheiro disponível num cartão aceite pela imobiliária. Obviamente que é possível pagar por transferência, mas isso pode atrasar a data de entrada, e eu estava a pagar hotel por isso tinha interesse em me despachar.
Este processo foi, para mim, extremamente stressante. Até ao momento em que temos a chave na mão, o nível de incerteza é altíssimo: vou precisar de estender a estadia no hotel? Vou ter dinheiro que chegue caso o senhorio recuse o arrendamento? Será que vou ter que procurar noutra zona? Será que vou conseguir fazer isso enquanto trabalho? Para mim, encontrar a primeira casa foi facilmente a parte enervante da mudança. Agora já tenho uma posição muito mais sólida: conheço a zona, conheço o mercado, tenho um pé de meia e transporte próprio. O início custa muito mais.

Burocracias adicionais a tratar no início

Além da casa, que era a minha primeira preocupação, há um outro conjunto de coisas que têm que ser tratadas quanto antes:

Referências

[1] https://england.shelter.org.uk/housing_advice/private_renting/assured_shorthold_tenancies_with_private_landlords [2] https://www.gov.uk/government/collections/tenant-fees-act [3] https://www.gov.uk/council-tax [4] https://www.gov.uk/tax-codes [5] https://www.gov.uk/income-tax/how-you-pay-income-tax

Capítulos Anteriores

O próximo capítulo deve ser mais sobre habitação ou sobre compramanter carro e conduzir. Depende de qual o capítulo que acabar por ficar pronto mais cedo. Às tantas calha ser outro qualquer ¯\_(ツ)_/¯
Se este post gerar uma resposta tão forte como os outros, é possível que eu não consiga responder a todos os comments. Se for esse o caso, peço desculpa; vou dar o meu melhor.
No outro post alguém (um mod?) colocou o flair "Conteúdo Original". Não encontrei esse por isso pus "discussão".
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


2020.08.10 02:17 YatoToshiro Fate/Gensokyo #53.5 Jeanne d'Arc Alter (Fate/Grand Order) Parte 2


https://preview.redd.it/z555wif5h2g51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=1cb1df50f74d352beb095b625613f4e4bcf831e9
Orleans: The Wicked Dragon Hundred Years 'War
Jeanne Alter é criada por Gilles de Rais (Caster) através do poder do Santo Graal, como uma versão de Jeanne d'Arc distorcida por seu ódio pela França e por Deus. Após sua criação, ela convoca o Chevalier d'Eon, Vlad III, Atalanta, Santa Martha e Carmilla enquanto adiciona o Melhoramento Louco para transformá-los em Servos Furiosos. Ela ordena que destruam a França, declarando que Deus perdoará todas as suas transgressões. Ela também diz que está tudo bem se Deus os punir, pois sua campanha destrutiva é um meio de provar a existência e o amor de Deus. Gilles então traz Pierre Cauchon antes dela. Jeanne Alter furiosamente o lembra do ridículo que ela suportou durante a vida. Ela também zombeteiramente diz a ele para dizer a todos que a malvada Jeanne d'Arc está aqui e rugir como um leão valente. Ela diz que sua fé é frágil e o acusa de ser um herege por implorar a uma bruxa que o poupe, quando ele implora a ela que poupe sua vida. Ela então começa a queimá-lo vivo até que nada mais reste. Ela então ordena que seus servos destruam a França novamente, começando com Orleans. Depois de explicar a seus Servos que agora são Servos Furiosos, Jeanne Alter declara que a humanidade não tem valor, pois falhou em provar seu amor a Deus. Ela decide que a bandeira deles será dragão quando Gilles diz que eles precisam de um símbolo para se reunir, citando sua conexão com dragões. Posteriormente, as forças de Jeanne Alter conquistaram Orleans, matando Carlos VII no processo. Durante o curso de sua campanha, Jeanne Alter e suas forças destroem muitas cidades e matam muitas pessoas. Um dos mais proeminentes é Lyon, onde Jeanne Alter derrotou e amaldiçoou seu protetor, Siegfried.
Jeanne Alter e seus servos eventualmente encontram Ritsuka, Mash Kyrielight e Jeanne quando chegam no recentemente destruído La Charite. Ela zomba de Jeanne e se declara a outra "ela". Ela chama a resposta para a pergunta de Jeanne sobre por que ela destruiu a cidade óbvia, já que ela está destruindo a França. Ela então pergunta que queria salvar a França e seu povo, apesar de saber que eles iriam ridicularizá-la e traí-la. Enquanto Jeanne hesita em responder, Jeanne Alter declara que não será mais enganada ou traída. Ela confessa que não consegue mais ouvir a voz de Deus, e interpreta isso como um sinal de que a França não é mais abençoada por ele. Assim, ela destruirá o país de acordo com Sua dor. Ela declara que salvará a França transformando-a na terra dos mortos. Ela diz a Jeanne que não conseguia entender, acusando-a de ser uma virgem sagrada que finge não ver ódio e alegria e é incapaz de crescimento humano. Ela começa a atear fogo no console do Archaman Romani quando ele diz que o crescimento humano dos Servos seria classificado como Espíritos Heróicos. Jeanne pergunta se ela realmente é "ela", mas Jeanne Alter apenas zomba de suas dúvidas. Ela chama Jeanne de nada mais do que o resíduo que ela jogou fora. Ela então ordena que Vlad e Carmilla a matem. Quando Maria Antonieta intervém, Jeanne Alter pede a D'Eon que confirme sua identidade. Ela diz a Marie que ela é inadequada para participar da batalha porque ela viveu uma vida de luxo, e morre sem saber o que aconteceu. Ela se pergunta se Marie pode entender seu ódio. Depois que o grupo escapa quando Mozart repele Vlad e Carmilla com Requiem for Death, Jeanne Alter ordena que Martha os siga e observe. Ela diz a Vlad que Martha ficará bem sozinha, já que seu Nobre Fantasma pode ser destruído. Mas ela concorda que precisa ser cuidadosa e decide retornar a Orleans para convocar servos adicionais. Ela então ordena que Vlad, Carmilla e D'Eon continuem destruindo a França, e sai dizendo a eles que até mesmo os anti-heróis têm dignidade.
Mais tarde, Jeanne Alter convoca Charles-Henri Sanson e Lancelot quando ela retorna a Orleans. Ela fica sabendo da morte de Martha, perguntando-se se ela cometeu suicídio, e irritada por manter sua sanidade, apesar de seu Melhoramento Maluco. Ela acha mais provável que tenha lutado com todas as suas forças, então eles não podem baixar a guarda. Ela afirma que partirá com "ele" na próxima vez. Ela diz que vai deixar os Servos recentemente convocados, então ordena que Gilles contate Carmilla. Ela então pergunta a ele quem ele pensa ser a verdadeira Jeanne, ela ou Jeanne, ao que ele responde. Depois que Gilles a lembra da traição e do ridículo que ela sofreu na vida, Jeanne Alter declara que tudo foi um erro que deve ser corrigido. Ela concorda com Gilles que sua vingança é justa, dizendo que suas palavras lhe dão força. Ela então ordena que Sanson e Lancelot montem em seus wyverns e partam com ela. Mais tarde, ela confronta o grupo nas ruínas de Lyon, após resgatar Siegfried. Ela então ordena que seu dragão pessoal, Fafnir, os incinere, mas ele bloqueia a Luminosité Eternelle de Jeanne e o Lorde Chaldeas de Mash. Ela é forçada a recuar quando Fafnir é atingido por Balmung. Depois de se retirar para o céu, ela ordena que Sanson e Lancelot matem o grupo, dizendo que Carmilla se juntará mais tarde.
Jeanne Alter posteriormente ataca a cidade protegida por Georgios com Sanson enquanto seus cidadãos ainda estão sendo evacuados. Depois que Marie derrotou Sanson, Jeanne Alter achou engraçado que aqueles com maior potencial foram os primeiros a cair. Ela está irritada por Jeanne já ter escapado com Georgios e acha ridículo que ganhar um Servo deu esperança a Jeanne. Ela então pergunta a Marie por que ela está tentando salvar os cidadãos, embora ela tenha sido decapitada por seus próprios cidadãos. Marie responde que sua morte foi inevitável porque ela não era mais necessária para o povo. Ela então pergunta a Jeanne Alter quem ela é, mas Jeanne Alter também diz a ela para calar a boca. Ela então ativa o Palácio de Cristal e luta contra Jeanne Alter, que ela acaba perdendo.
Voltando para Orleans, Jeanne Alter confirma que Marie morreu e pergunta a Gilles sobre a condição de Sanson. Ele responde que a mente de Sanson pereceu com Marie, dizendo que ele só está apto para ser um soldado de infantaria agora. Jeanne Alter está aborrecida porque Georgios escapou graças ao fato de Marie a estar segurando. Ela começa a pedir para encontrar o grupo quando D'Eon interrompe para relatar que o grupo está indo para Orleans. Jeanne Alter ordena que eles se preparem para a batalha e Gilles para reunir os dragões e servos. Ela declara que o mundo será destruído se eles vencerem, e mesmo se eles perderem, o mundo já se foi. Ela também diz que, mesmo que Caldéia corrija a era, uma jornada sem fim pela frente. Apesar disso, eles e Jeanne ainda têm fé no mundo, para grande aborrecimento de Jeanne Alter. Ela decide destruir o grupo por esse motivo, não querendo que eles restaurem o mundo, dizendo que é o desejo dela e de Gilles.
Jeanne Alter e suas forças confrontam o grupo enquanto eles marcham em direção a Orleans. Ela diz a Jeanne que eles são iguais, mas Jeanne rejeita firmemente essa ideia. Ela então exibe a horda de dragões com ela, declarando que eles devorarão tudo na França. Depois, os dragões lutarão e se devorarão em uma guerra sem fim. Ela fica chocada quando o General Gilles de Rais chega com seu exército e começa a bombardear os dragões com artilharia. Depois que seus servos e Fafnir são mortos na batalha, Jeanne Alter é convencida por Gilles a retornar ao castelo.
Dentro do castelo, Jeanne Alter ordena que Gilles a defenda enquanto convoca um novo Servo. Ela concorda com sua sugestão de convocar o Rei Arthur, embora duvide que um cavaleiro inglês responda a sua convocação. Quando Ritsuka, Mash e Jeanne chegam na sala do trono, ela fica surpresa que eles chegaram mais rápido do que o esperado, então ela não precisa modificar a convocação. Jeanne pergunta se ela se lembra de sua família, mas Jeanne Alter não consegue se lembrar. Descobrindo que não importa se ela se lembra ou não, ela invoca Servos das Sombras e ordena matar o grupo. Depois de destruídos, ela luta contra o grupo pessoalmente. Ela é derrotada, mas se recusa a acreditar que perdeu porque tem o Graal. Quando ela começa a morrer, ela diz a Gilles que ela ainda não destruiu a França. Ela fica consolada quando Gilles diz que destruirá a França em seu lugar. Ela então desaparece, revelando que o Graal era seu centro.
Da Vinci and The Seven Counterfeit Heroic Spirits
Como seu conceito já existia, Jeanne Alter nunca foi verdadeiramente destruída na Singularidade de Orleans. Já que Gilles de Rais, que a desejou, e o Santo Graal, que fez isso acontecer, foram mortos e capturados, as chances de ela ser convocada novamente eram infinitesimais. No entanto, ela foi capaz de invocar-se invertendo o desejo de Jeanne d'Arc de não ter uma versão alterada de si mesma. É uma técnica de quebra de regras que só foi possível graças à popularidade de Jeanne como Espírito Heroico. Insatisfeita por ser uma falsificação, Jeanne Alter procurou superar seu eu original. Usando o Louvre como base e querendo vingança por Orleans, ela cria versões falsificadas de Alexandre, Hector, Siegfried, Arash, Arjuna, Gilles de Rais, Brynhild com o propósito de superar seus originais. Ela também deu a cada um deles histórias de fundo específicas centradas em torno dela por um desejo inerente de ser o protagonista. Continuando com seu plano que começou desde a Singularidade de Orleans, ela além disso melhorou seus valores de Saint Graph por meio do Counterfeits ’Riot, tornando-se publicamente uma Serva. Com relação à convocação dos Espíritos Heróicos Falsificados, em algum momento durante o período do Motim das Falsificações, parece que Jeanne Alter queria esquecer todas as suas existências exceto a dela.
Eventualmente, Jeanne Alter localizou Ritsuka, Mash, Leonardo da Vinci e EMIYA, que procurava impedir sua falsificação. Eles a encontram sendo desconfortavelmente abraçada pela falsificada Brynhild. Ela os elogia por localizá-la, presumindo que eles seguiram os rastros deixados pelas falsificações. Ela chuta Brynhild para longe, apenas para ela rastejar de volta. Ela explica que o comportamento de Brynhild inadvertidamente resultou de seu desejo de que um de seus sete seguidores fosse mulher. Pedindo ao grupo para ignorar Brynhild, ela revela as circunstâncias de seu retorno. Ela aceita que é uma falsificação da Jeanne original, mas ainda quer superá-la, pois Da Vinci especulou com razão. Ela continua que, embora seja uma falsificação, não há regras dizendo que ela não pode fazer nome para si mesma no mundo. Ela continua ainda que as pessoas imaginam que a morte de Jeanne justificaria sua vingança, declarando-se um aspecto de Jeanne. Portanto, como ela nasceu do ódio e da intenção assassina, Jeanne Alter é uma Anti-Herói e uma Serva da classe Vingador. Ela então ordena que Brynhild ataque o grupo. Ela nega a dedução da EMIYA de que a maioria de seus Servos falsificados eram homens pelo desejo inconsciente de ser o protagonista, apontando Brynhild. Mash suspeita que ela queria uma amiga, mas Jeanne Alter nega. Ela afirma que os Servos falsificados eram meramente peões dispensáveis, então luta contra o grupo com Brynhild. Depois que Brynhild é derrotada, Jeanne Alter se culpa por ser incapaz de convocar Brynhild da forma adequada. Ela presume que Brynhild vai culpá-la antes que ela morra, como ela presume que os outros morreram. No entanto, Brynhild diz que ela e as outras falsificações desfrutaram de seu tempo com ela antes de desaparecer. Jeanne Alter afirma que as falsificações foram um peão criado para sua diversão, mas Da Vinci a repreende por não perceber seus verdadeiros sentimentos. Ela explica que as falsificações já ultrapassavam os originais e estavam sinceramente se divertindo, apesar de serem falsas. Ela continua que eles tiveram cuidado e preocupação genuínos por Jeanne Alter. Isso confunde Jeanne Alter, pois ela não consegue entender por que alguém se importaria com uma garota vingativa como ela. Da Vinci diz a ela para abraçar seu desejo de vingança e seu papel como Anti-Herói para se tornar uma Serva completa. Jeanne Alter hesita com a ideia de ser convocada quando Ritsuka diz que eles a aceitariam. Depois de um longo período de reflexão, ela aceita seu complexo de inferioridade para com Jeanne e seu desejo de ser desejada. Ela aceita que seu ódio nunca cessará e ela sempre será uma Vingadora, não importa quantas vidas ela salve. No entanto, apesar de tudo isso, ela diz que responderá à convocação de Ritsuka. No entanto, ela começa a lutar contra o grupo por vingança por eles terem derrotado suas falsificações. Depois de ser derrotada, ela diz que se divertiu. Ela revela que seu eu futuro formará um vínculo com Ritsuka enquanto seu eu atual desaparecerá. Ela assume que seu eu futuro não terá memórias de ser um Espírito Heróico falsificado, então o atual queria criar pelo menos uma memória. Ela diz a Ritsuka para assumir a responsabilidade por seu futuro eu e se despede deles antes de desaparecer.
Salomon: The Grand Time Temple
Jeanne Alter está entre os Servos do "evento especial" ajudando a Caldéia contra os Pilares do Deus Demônio.
Shinjuku: The Malignant Quarantined Demonic Realm
Jeanne Alter estabelece seu próprio território em Shinjuku após sua convocação após formar uma trégua com Artoria Alter para se deixarem em paz. Em algum ponto, ela foi gravemente ferida por Baal disfarçada de James Moriarty, forçando-a a se retirar para o esgoto. Mais tarde, ela tenta incinerar o verdadeiro Moriarty quando ele se intromete em seu território. Ela é mais tarde atacada por EMIYA Alter sob as ordens de Baal, irritada por ele ter transformado uma espada em uma arma moderna. Ela então liberta La Grondement Du Haine em uma tentativa de destruí-lo, mas para sua irritação, ele usou um escudo para bloqueá-lo e escapar. Tendo se esforçado demais com aquele ataque, ela desmaia e espera para desaparecer. Ela se pergunta se alguém vai roubá-la e jogá-la no rio ou contaminá-la enquanto ela desaparece. No entanto, ela é salva pela chegada de Ritsuka, Moriarty e Artoria Alter. Depois de se insultar, Jeanne Alter pergunta por que ela veio, uma vez que eles tinham trégua para se deixarem em paz. Artoria Alter responde que não é mais o caso e se gaba de ter um Mestre, segundo a crença de Jeanne Alter. Ela assume que seu Mestre é totalmente incompetente até que Ritsuka se apresente como dito Mestre. Ela pede a Ritsuka para deixá-la se juntar a eles, alegando que ela é uma Serva melhor do que Artoria Alter ou Moriarty. Ela falha em detalhes de como ela é melhor do que eles quando os inimigos chegam em cena, tendo sido atraída pelo cheiro de seu Nobre Fantasma. Após a batalha, ela pergunta a Mash por que ela não os está ajudando como um Shielder. Mash responde que ela está atualmente em licença de serviçal devido a certas circunstâncias, o que decepciona Jeanne Alter, já que Mash é seu último bastião de defesa. Ela se lembra de Mash se recusando a soltar seu escudo enquanto segurava as lágrimas de medo. Por causa disso, ela assume que Mash é um ser humano melhor do que ela, já que ela realmente sente medo. Artoria Alter a acusa de tentar roubar Mash, explicando que ela é um de seus cavaleiros já que Galahad a está possuindo. Jeanne Alter conta que ela pode fazer o que quiser, já que Mash não é Galahad. Ela então tenta incinerar Moriarty, assumindo que foi ele quem a feriu tão gravemente. Ela pára quando Ritsuka diz que pode confiar em Moriarty, pois foi outro ele quem a atacou. Mas, como os outros, ela não pode confiar nele. Mesmo assim, ela permite que ele os acompanhe quando Da Vinci diz que Moriarty arriscou a vida para proteger Ritsuka. Ela se irrita por Artoria Alter não permitir que ela os acompanhe, dizendo que ela tem os mesmos direitos que Moriarty. Ela então nota as roupas de Artoria Alter e pergunta por que ela as escolheu. Artoria Alter responde que um bom criado sempre se veste de acordo com sua localização. Em resposta, Jeanne Alter revistou as ruínas de uma boutique próxima sob o pretexto de que era suspeita. Ela retorna e cerca os outros e Hessian Lobo com as chamas de seu Nobre Phantasm no sinal de Moriarty para impedir a fuga de Hessian Lobo. No entanto, o grupo não consegue matá-lo e ele escapa. Jeanne Alter e Artoria Alter percebem que Moriarty pretende ter como alvo o Fantasma da Ópera e Christine Daaé em seguida. Eles então se preparam para lutar entre si até que Moriarty convença a atrasar até que Phantom e Christine estejam mortos.
Após o retorno do grupo ao esconderijo de Artoria Alter, Jeanne Alter expressa sua repulsa por ele e por Cavall II. Ela espera que Ritsuka dê sua opinião sobre sua nova roupa, embora esteja desapontada com a resposta. Depois de um telefonema de Edmond Dantès, o grupo descobre que o outro Moriarty é o líder de seu inimigo, a Aliança Fantasma do Demônio. Isso exacerba ainda mais a desconfiança de Jeanne Alter e Artoria Alter em relação a seu próprio Moriarty. Em resposta, Moriarty diz que eles devem derrotar Phantom para que ele possa ganhar sua confiança. Ele avisa que eles seriam mortos se atacassem Phantom diretamente, com o que Jeanne Alter e Artoria Alter concordam. Ele explica que eles seriam severamente superados em número pelos 200 Coloraturas estacionados em Kabukicho se eles atacassem diretamente. Ele, Jeanne Alter e Artoria Alter lembram de ter destruído algumas Coloraturas antes, mas Moriarty revela que eles reabastecem seus números com 36 horas. Moriarty explica que as coloraturas atribuem a patrulha de Kabukicho que também sequestram pessoas regularmente. Jeanne Alter adora que Artoria Alter reconheça que Excalibur Morgan está sendo inútil em destruir Kabukicho quando Moriarty revela que a energia mágica de Shinjuku comparável à Idade dos Deuses a reduziria significativamente. Os dois quase entrando em uma briga quando Artoria Alter zombeteiramente implica que Jeanne Alter não se sairia muito melhor. Moriarty então pede que tragam para ele uma Coloratura, que ele usará para observar Kabukicho. Depois de deixar o esconderijo, Jeanne Alter afirma que se Moriarty os traísse, seria em um momento crucial. O grupo então percebe que Coloratura está sequestrando pessoas, então eles entram para capturar uma. Após capturar uma Coloratura e ajudar a fuga do povo, o grupo retorna ao esconderijo. Lá é revelado que as Coloraturas são construídas a partir de humanos, com sua carne e nervos sendo colocados nas bonecas. Depois de afirmar que os humanos uma vez transformados em Coloraturas não podem ser salvos, Moriarty revela que equipou a Coloratura com uma bomba. O dito Coloratura será devolvido com os outros quando eles retornarem a Kabukicho em seus intervalos regulares, e então sua bomba será acionada. A explosão causará confusão entre as Coloraturas, que o grupo usará como uma oportunidade para matar Phantom e Christine. Jeanne Alter concorda com o plano, pois o Colortura não é mais verdadeiramente humano. Ela até os acha piores do que o espírito maligno e coisas do gênero, já que pelo menos esses têm vestígios de suas personalidades originais, ao contrário dos Coloraturas. Depois que Moriarty termina de manipular a Coloratura, e dá o detonador para Ritsuka, o grupo segue para Kabukicho.
Colocando o Coloratura armado com os outros, Moriarty ordena que Artoria Alter e Jeanne Alter tomem suas posições. Dez minutos depois, a bomba é detonada por Moriarty em vez de Ritsuka após ver sua determinação em fazê-lo. A explosão resultante espalha as Coloraturas, então Artoria Alter e Jeanne Alter se movem para destruí-los. Eles são mais tarde chamados por Mash para ajudar Ritsuka e Moriarty contra EMIYA Alter, mas eles estão ocupados lidando com as Coloraturas ainda ativas. Eles chegam justamente quando EMIYA Alter recua graças à intervenção de Hassan do Braço Amaldiçoado, desapontado por seus ataques mal errados. Jeanne Alter pergunta quem é o Braço Amaldiçoado e se pergunta se ele é um inimigo, mas Mash diz que ele é um aliado. Juntamente com Cursed Arm, o grupo foge de Kabukicho e retorna para o esconderijo.
De volta ao esconderijo, o grupo relaxa após sua missão bem-sucedida. Porém, logo revelou que Hassan é um membro disfarçado da Aliança do Demônio Fantasma, Yan Qing. Ele toma Ritsuka como refém, mas Artoria Alter e Jeanne Alter chegam para detê-lo. Ele se esquiva de seus ataques e foge enquanto Artoria Alter o persegue em sua motocicleta, com Jeanne Alter a seguindo. Infelizmente, eles não são capazes de resgatar devido ao atraso dos soldados Hornet e do Rei Lear convocado por Yan Qing. Jeanne Alter e Artoria Alter mais tarde Moriarty por permitir que Ritsuka fosse sequestrada.
Felizmente, Ritsuka é resgatado da base da Phantom Demon Alliance, Barrel Tower, por Sherlock Holmes. Jeanne Alter e Artoria Alter expressam imediatamente sua preocupação e alívio ao retornarem. Voltando ao esconderijo, Jeanne Alter chama Sherlock de peso morto quando ele se apresenta como um Conjurador impróprio para combate. No entanto, ela o agradece por salvar Ritsuka. Ela diz a ele para ir embora, mas ele diz que não pode. Ela acaba brigando com Artoria Alter novamente quando o primeiro avisa Ritsuka contra ser muito gentil com Moriarty. Depois de saber do Nome Verdadeiro de Moriarty, sua desconfiança dele aumenta ainda mais; Jeanne Alter o compara às raposas que aparecem nos contos de moralidade. Sherlock então explica como o objetivo da Aliança de destruir o planeta é possível sem utilizar forças externas, fazendo o que Thomas Edison e o Rei Leão tentaram fazer. Sem entender o que os outros querem dizer, Jeanne Alter exige saber o que Edison e o Rei Leão tentam fazer. Mash primeiro explica que o Rei Leão tentou usar Rhongomyniad para preservar uma parte da humanidade e destruir o resto enquanto a Incineração da Humanidade estava ocorrendo. Jeanne Alter chama o Rei Leão de idiota pela trama, dizendo que ela deveria ter se permitido morrer com todos os outros. Ela então expressa seu ódio por reis que tentam resolver as coisas por si próprios e reis que simplesmente desistem. Mash então explica que Edison procurou preservar a América separando-a da linha do tempo. Da Vinci percebe e revela que Shinjuku está em uma linha do tempo abatida. Apesar de ser informado de que não terá efeitos adversos na história, Ritsuka decide salvar Shinjuku de qualquer maneira. Sherlock então revela o método pelo qual o maligno Moriarty usará para destruir o planeta. O malvado Moriarty planeja usar os poderes do Fantasma com o qual se fundiu, Der Freischutz, para carregar um meteorito na Torre do Barril e, em seguida, dispará-lo no núcleo do planeta como uma bala mágica para destruir o planeta. Jeanne Alter está aborrecida porque Moriarty acabou de perceber que ele foi fundido com Der Freischutz o fez um Arqueiro e o deixou disparar balas e mísseis de um caixão que ele nunca carregou em vida. Ironicamente, ela acha que o plano da Aliança para destruir o planeta é ainda pior do que quando ela tentou destruir a França. Ela e Artoria Alter concordam com a decisão de Sherlock de eliminar Yan Qing, achando sua habilidade de transformação problemática. O grupo então sai para roubar roupas para o propósito do plano de Sherlock e Moriarty. Depois de derrotar alguns bandidos e suas Coloraturas hackeadas, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter trocam de roupa.
Agora usando vestidos, Ritsuka, Artoria Alter e Jeanne Alter entram em uma festa organizada por Yan Qing. Jeanne Alter, insultada, compara Artoria Alter a uma boneca de cera em seu vestido, enquanto Artoria Alter a compara a uma bruxa de verdade em seu vestido. No entanto, os dois compartilham a alegria de ver Ritsuka claramente desconfortável com seu disfarce. Jeanne Alter os segura enquanto Artoria Alter tira fotos deles com o telefone com câmera que ela tirou de um transeunte e os carrega para o servidor de Chaldea. Ela então se pergunta quando Yan Qing vai aparecer, expressando seu ódio por seu vestido. Depois de ver Artoria Alter dançar com Ritsuka, ela afirma não se importar com a dança e fica irritada que Artoria Alter tenha passado por instinto. Um convidado da festa tenta convidá-la para dançar, mas sua carranca o afasta. Agora que perdeu a paciência, ela agora quer queimar todo o prédio. Yan Qing então aparece diante dos convidados disfarçados de Artoria Alter. Ele eventualmente toma conhecimento dela e ordena que os Hornets ataquem. Juntamente com Moriarty, o grupo derrotou o Hornets seguido por Romeu e Julieta. Mais Hornets então aparecem, com Yan Qing sendo disfarçado como um deles. Ritsuka tira o vestido deles para chocá-lo a se revelar como parte do plano de Moriarty. Yan Qing revela seu verdadeiro nome e luta contra o grupo. Sentindo que vai perder, Yan Qing ativa uma bomba sob o prédio para derrubá-lo, fazendo com que o grupo escape. Depois de matar Yan Qing, Moriarty pondera se o orgulho é necessário para viver. Jeanne Alter responde que o orgulho não tem valor para ela como uma farsa. Ela fica confusa quando Artoria Alter a chama de panda gigante por não se orgulhar. O grupo então se prepara para partir quando são encontrados por Hessian Lobo.
Confrontado por Hessian Lob, o grupo vê que ele foi fundido com outro Fantasma, o Homem Invisível, como indica sua invisibilidade. Sua classe então muda de Cavaleiro para Vingador, e instantaneamente atinge Ritsuka já que eles são os únicos humanos por perto. Incapaz de derrotá-lo, o grupo decide quem ficará para trás para segurar Hessian Lobo enquanto o resto foge. Jeanne Alter assume a tarefa para que os outros possam escapar. Ela diz a eles para usarem esse tempo para encontrar uma maneira de derrotar Hessian Lobo permanentemente. Ela rejeita a sugestão de Artoria Alter de escolher alguém de forma justa. Ela chama Ritsuka de patético por não querer sacrificar seus aliados. Ela nega a suposição de Sherlock de que seu desejo de afastar Hessian Lobo é motivado por sua simpatia por ele como um companheiro Vingador. Ela explica que simplesmente odeia vê-lo correndo como um monstro estúpido, acreditando que deveria pelo menos ter um objetivo. Ela decide que vai dar um objetivo, então ela dá um fim real. Antes que os outros saiam, Sherlock diz a ela para cuidar de seus pés, e Artoria Alter confia nela para segurar Hessian Lobo. Enquanto luta contra Hessian Lobo, Jeanne Alter proclama que sabe como ele pensa, já que eles são iguais. Ela diz que o ódio deles nunca desaparecerá, independentemente de quantas pessoas eles matem até o dia da morte. Ela declara que vai tirar Hessian Lobo de sua miséria, dizendo que os sonhos fugazes que eles veem antes da morte são o único consolo para os Vingadores. Eventualmente, porém, Hessian Lobo a fere fatalmente. Ela está irritada, mas não está gostando de sua vingança, mas percebe que não pode mais. Depois de sofrer outro ferimento, ela solta La Grondement Du Haine em um esforço para segurá-lo. Ela explica que as chamas vêm de seu próprio corpo, duvidoso que possa afastá-las. Ela entende que as chamas não vão matá-lo, mas tem certeza de que vão desacelerá-lo por um tempo. Infelizmente, ela finalmente cai depois que Hessian Lobo se feriu novamente. Ela contempla sua natureza como uma farsa, incapaz de compreender verdadeiramente a dor de ser queimada viva. Ela chama Jeanne de idiota por querer vingança depois de ser queimada na fogueira, acreditando que ela era louca por não ter feito isso. Ela continua que o mundo está irremediavelmente escuro, alegando que o máximo que uma pessoa dita boa pode fazer é fechar os olhos. Ela se lembra de como costumava pensar que nunca ajudaria humanos de boa índole como Jeanne, achando-os patéticos e indefesos. Depois de chamar Jeanne de símbolo da humanidade, ela chama Ritsuka de idiota sem consideração por não tê-la convidado para dançar. Ela então se lembra do conselho de Sherlock antes de cair na inconsciência.
Jeanne Alter é capaz de sobreviver escapando em um buraco de homem no último momento, como Sherlock aconselhou. Ela se encontra com Edmond, e eles resgatam William Shakespeare de seu confinamento na Torre do Barril. Ambos tentam atacar Moriarty, que foi revelado como o verdadeiro cérebro para destruir o planeta, mas ele consegue se esquivar de ambos. Jeanne Alter explica como ela sobreviveu e mostra que trouxe Shakespeare para ajudar. Depois que Shakespeare e Hans Christian Andersen convocam os Grandes Detetives para ajudar Ritsuka, o grupo luta contra Moriarty após ele se fortalecer com o Graal. Depois que Moriarty e os outros desaparecem e o asteróide Bennu é destruído, Jeanne Alter diz a Ritsuka para chorar pelos Servos, já que eles estão destinados a desaparecer. Ela grita com EMIYA Alter para não se intrometer na conversa quando ele concorda. Ela então pergunta a ele o que aconteceu com Artoria Alter, se perguntando se ela foi esmagada por Bennu. EMIYA Alter responde que ela foi visitar algum lugar antes de desaparecer, que Ritsuka e Jeanne Alter percebem ser Cavall II. Depois que EMIYA Alter desaparece, ela de repente corta as comunicações com Chaldea. Ela então coloca seu vestido de festa e exige uma dança de Ritsuka. Depois de dançarem, Jeanne Alter se sente satisfeita e começa a desaparecer. Ela diz a Ritsuka que vai praticar mais da próxima vez, esperando que eles façam o mesmo, antes de finalmente desaparecer.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.07.03 17:54 littlefran Recebi entrega das Americanas ontem e o entregador começou a me mandar SMS de cantada

O meu aspirador de pó quebrou então eu acabei tendo que encomendar um novo online, chegou ontem aqui em casa. O cara que fez a entrega ligou pro meu telefone ao invés de discar o interfone aqui do meu prédio. Estranho, mas tá, já aconteceu outras vezes.
Desci pra pegar a encomenda já que tava no meu nome, o cara ficou tentando puxar conversa sobre como a portaria do prédio estava aberta (estavam realizando mudança em outro apê na mesma hora) e eu falei "é, tão fazendo mudança, normal né", desconversei, assinei a entrega e comecei a voltar.
Enquanto eu estava entrando no prédio, eu ouvi uma buzina. Achei que não era nada, mas agora tenho certeza que era o cara.
Voltei pra casa, eu e meu noivo começamos a desempacotar, quando meu celular começa a dar notificação de SMS. Era o mesmo número de celular que tinha ligado antes pra avisar que a entrega tinha chego.
"Sorry but your the best delivery today" (sim, inglês meio quebrado mesmo)
Eu mandei um "?"
"Desculpas mas você foi a melhor entrega de hoje"
Eu imediatamente bloqueei o número do cara. Não tive coragem de responder. Gelei. Afinal, esse completo estranho tem o meu nome, endereço e número de celular.
Desde então eu entrei em contato com o RH das Americanas e reportei isso, infelizmente não tinha o nome do cara, só o número e características físicas, e eu tô muito mal com isso desde então. Tá um frio do cacete aqui no RS então eu não estava vestindo nada revelador - Blusão com capuz cobrindo a cabeça, calça, pantufa, obviamente de máscara.
Eu tô exagerando de me sentir insegura pra caralho dentro da minha própria casa? Desde então não tive outros contatos como Whatsapp (não sei se bloquear número bloqueia Whats também) ou tentativas de chegar pelo Facebook, mas eu tô com um medo da porra :/
submitted by littlefran to brasil [link] [comments]


2020.05.15 20:11 mechanical_fan Vamos discutir o caso da Suécia /r/brasil.

Então, faz um tempo que eu vejo posts aparecendo no reddit em geral discutindo sobre o que acontece na Suécia e qual o objetivo do governo (sem praticamente nenhum tipo de base), então decidi fazer um post pra tentar esclarecer algumas coisas. Vou colocar fontes em sueco (e uma em norueguês), mas o translator faz um trabalho quase perfeito de tradução sueco-inglês (e provavelmente português) se alguém quiser ler.
Primeiramente, o governo sueco basicamente não decidiu nada diretamente. Ele simplesmente conversou entre os partidos no parlamento e eles decidiram que vão seguir o que o ‘epidemiologista chefe’ Anders Tegnell (que tem o cargo desde 2013 e trabalha na parte pública com doenças comunicáveis desde 2005) e a “Agência de Saúde Pública” (Folkhälsomyndigheten) falarem. A decisão é o mais técnico que pode ser, sem interferência nenhuma de politicagem ou economia. É literalmente proibido na constituição o governo interferir nas decisões dessas agências técnicas:
The Swedish constitution prohibits ministerial rule and mandates that the relevant government body, in this case an expert agency – the Public Health Agency – must initiate all actions to prevent the virus in accordance with Swedish law, rendering state epidemiologist Anders Tegnell a central figure in the crisis. The government usually follows agency advice – politicians overruling the advice from its agencies is extremely unusual in Sweden –
Agora vamos discutir algumas peculiaridades nórdicas que (provavelmente) influenciaram as decisões (e modelos epidemiológicos) do Anders Tegnell:
Número de pessoas por residência: A Suécia tem, literalmente, o menor número de pessoas dividindo uma moradia no mundo. É também país onde as pessoas saem mais cedo da casas dos pais no mundo . Em anedota: eu não conheço ninguém com mais de 19 que more com os pais. Conheço uma moça que divide um apartamento com o irmão, e as pessoas já acham isso esquisito.
Sweden has the smallest average household size in the OECD. With fewer than 2 people (1.99) per household, it is well below the OECD average of 2.63.
(https://www.oecd.org/els/family/47710686.pdf)
Densidade populacional e tamanho de regiões metropolitanas: A Suécia é em grande parte vazia. A densidade populacional é praticamente a mesma do Brasil, mas com uma grande diferença: A população é bem mais distribuída em cidades de tamanho pequeno e médio que super concentrada em metrópoles. As maiores regiões metropolitanas têm 2.2m, 1m e 700k habitantes (Estocolmo, Gotemburgo e Malmö). Depois disso nenhuma passa de 500k (a maior é Motala-Linköping-Norrköping, com 450k) (https://sv.wikipedia.org/wiki/Sveriges_l%C3%A4n). As cidades em si também são pouco densas, prédios com mais de 6 andares são (muito) raros.
Pra ver um mapa de densidade populacional da Europa: https://i.redd.it/l83xfr216wv41.png
Hábitos da população e confiança no governo: Esse é um caso mais complicado de achar fontes já que é cultural, mas é uma população que já naturalmente não gosta de proximidade física a outras pessoas Essa é uma cena comum, mesmo sob forte chuva ou nevasca. Além disso a população tem alta confiança no governo e em seguir simplesmente recomendações desse sem necessidade de leis específicas para isso.
Sistema de registros e número de identidade: Isso é uma peculiaridade da Suécia. Mas eles tem o sistema de registros (registers) que é provavelmente o mais completo do mundo. Na verdade, é bem comum o governo sueco ser acusado e não dar privacidade nenhuma a população devido à quantidade de informação que eles constantemente coletam, tudo ligado ao seu número de identidade. Em anedota: Eu fiquei doente uns meses atras e fui no médico que me recomendou antibióticos, mas não me deu receita (em papel físico). Eu fui na farmácia, dei o meu cartão de identidade e o farmacêutico já sabia o que tinha acontecido comigo ao consultar no computador. A conta da consulta chegou por correio. O governo sueco coletou: quando eu fiquei doente, com o que, quem me atendeu e qual antibiótico (até a marca) eu comprei. O endereço ele já sabia. Na verdade, é bem comum em compra online você colocar seu número de identidade e o site auto completar seu nome, data de nascimento, endereço, telefone e email.
Número de mortos: A contagem é diferente de todos os países no mundo, mas é provavelmente a mais precisa e realista. Eles simplesmente cruzam as informações na base de registros deles e contam como morte por covid qualquer um que morreu até 14 dias depois de qualquer diagnóstico de covid. É bem comum nos outros países dependerem de hospitais/médicos reportarem diariamente e individualmente mortes por covid, alguns nem estão/estavam contando mortes em casas de retiro (UK, Italia, Espanha e Holanda). Na Noruega mesmo ainda é feito por telefone e eles mesmo comentam que os números seriam diferentes se fizessem contagem como a Suécia. Isso evita algumas dúvidas, por exemplo: se alguém tem alguma comorbidade como câncer e covid, a morte foi causada por qual? Alguns médicos podem colocar câncer, mas pro governo sueco é contado como covid, sempre. Se você morrer em um acidente de carro atropelando um alce 12 dias depois, também é morte por covid (é um problema real, a Volvo inclusive testa para isso).
Objetivo: Vamos acabar com algumas lendas urbanas aqui. Não é objetivo do governo sueco alcançar imunidade de rebanho. Também não é objetivo “preservar a economia”. O principal objetivo da “Agência de Saúde Pública” é simplesmente evitar que o sistema de saúde não seja sobrecarregado e ter uma política sustentável a longo prazo. Na verdade o Tegnell é bem pessimista sobre essas coisas:
Anders Tegnell, Sweden’s state epidemiologist who devised the no-lockdown approach, estimated that 40 per cent of people in the capital, Stockholm, would be immune to Covid-19 by the end of May, giving the country an advantage against a virus that “we’re going to have to live with for a very long time”.
“In the autumn there will be a second wave. Sweden will have a high level of immunity and the number of cases will probably be quite low,” Mr Tegnell told the Financial Times. “But Finland will have a very low level of immunity. Will Finland have to go into a complete lockdown again?”
“I don’t think we or any country in the world will reach herd immunity in the sense that the disease goes away because I don’t think this is a disease that goes away,” he added.
“It’s a big mistake to sit down and say ‘we should just wait for a vaccine’. It will take much longer than we think. And in the end, we don’t know how good a vaccine it will be. It’s another reason to have a sustainable policy in place.”
https://www.ft.com/content/a2b4c18c-a5e8-4edc-8047-ade4a82a548d
Ações do governo: Basicamente, fechou escolas de ensino médio, universidade, proibiu visitas em casas de retiro, agregações acima de 50 pessoas e o mais importante: Colocou uma série de recomendações de comportamento e informou toda a população (isso pode ser visto em (https://www.folkhalsomyndigheten.se/smittskydd-beredskap/utbrott/aktuella-utbrott/covid-19/). Decidiram não fechar escolas para não sobrecarregar quem trabalha no sistema de saúde e não arriscar que as pessoas peçam ajuda a familiares mais velhos:
According to the Health Agency, the main reasons for not closing schools was that as a preventive measure it lacked support by research or scientific literature, and because of its negative effects on society. They argued that many parents, including healthcare professionals, would have no choice but to stay home from work to care for their children if schools were closed. There was also concern for a situation where elderly people babysit their grandchildren, as they are of bigger risk of severe symptoms in case of infection. According to agency's estimations, closures of elementary schools and preschool could result in an absence of up to 43,000 healthcare professionals, including doctors, nurses and nurse's assistants, equalling 10 percent of the total workforce in the sector. In May, Tegnell said that the decision was right, as the healthcare system would not have managed the situation the past months if Swedish authorities had chosen to close elementary schools.
https://en.wikipedia.org/wiki/COVID-19_pandemic_in_Sweden#Strategy
Redução em horas. O governo sueco está cobrindo até 50% da redução em horas, ou seja, a empresa paga metade, e o governo cobre o resto e as pessoas só trabalham 50% também. Empregadores pequenos recebem algumas outras vantagens também.
O governo começou a cobrir pagamento de todos os dias de afastamento por doença e mudaram as regras sobre receber salário em caso de doença:
The 'karensdag' or initial day without paid sick-leave has been removed by the government and the length of time one can stay home with pay without a doctor's note has been raised from 7 to 21 days.
https://en.wikipedia.org/wiki/COVID-19_pandemic_in_Sweden#Finance_and_the_economy
Resultados: As pessoas seguem recomendação do governo? Sim. Por exemplo, na semana da pascoa, um dos maiores feriados na Suecia, as visitas para Gotland (um dos pontos de férias mais populares) caíram em mais de 90%. Åre (estação de ski) e o resto do país tiveram números similares.
As pessoas estão trabalhando de casa. Não consigo achar um valor recente para o país inteiro, mas essa fonte para Estocolmo está entre 70-80% dependendo do bairro (conforme classe social, como esperado). Eu pessoalmente só tenho um amigo que está indo pro trabalho fisicamente, mas ele é engenheiro em uma fábrica e está indo 2 vezes por semana. A Suécia é um país altamente digitalizado, tanto em acesso a internet e uso diario quanto ao tipo de industria. Isso facilita bastante. (de cabeça: Spotify, Ericsson, King, Paradox, Mojang, Klarna)
Houve também expansão da capacidade de UTI, no pico, por volta de 80% do sistema estava sendo usado. Mas o pico passou. Os melhores sites para ver o estado atual e histórico, na minha opinião são:
https://adamaltmejd.se/covid/
https://c19.se/en (clique na legenda para escolher o que quer ver e mudar escala - número de pessoas no hospital e em UTI/IVA tem caído faz duas semanas)
Teve problemas? Sim, teve muito problema nas casas de retiro:
He made the point that care homes in Sweden — like in the rest of the Nordic region — were for “the very old and the very sick”, as most elderly people live at home, and that there were known “quality problems” with care providers, often private companies.
“Unfortunately those quality problems have proven to make the elderly very vulnerable to infection,” Mr Tegnell said, adding that an investigation had begun.
https://www.ft.com/content/a2b4c18c-a5e8-4edc-8047-ade4a82a548d
Economia: Como eu comentei, isso simplesmente não é o ponto do governo sueco. Nunca foi. Na verdade, qualquer discussão agora é muito cedo, por razões óbvias. Vai ter artigo científico sendo escrito sobre cada país pelos próximos 10 anos. Mas a economia sueca é mais dependente de exportações de manufaturados que os vizinhos, por isso até mesmo esses pequenos pontos é dificil de comparar (de cabeça: Eletrolux, Volvo, Scania, IKEA, H&M). É simplesmente cedo demais. E quem está tomando a decisões não se importa com isso também. Ninguém espera salvar a economia nem coloca como objetivo.
“It is too early to say that we would do better than others. In the end, we think Sweden will end up more or less the same,” said Christina Nyman, a former deputy head of monetary policy at the Riksbank who is now chief economist at lender Handelsbanken.
One big reason is that Sweden is a small, open economy with a large manufacturing industry. Truckmaker Volvo Group and carmaker Volvo Cars were both forced to stop production for several weeks, not because of conditions in Sweden but due to lack of parts and difficulties in their supply chains elsewhere in Europe. Ms Nyman noted that despite being relatively little hit directly by the 2008 financial crisis Sweden’s economy still suffered more than many.
Ms Nyman said she believed that without the no-lockdown policy, Sweden would have been harder hit, as in 2008. “If we didn’t have these better circumstances, we would have done worse. Usually, we are more severely hit by a global recession,” she added. Economists at Swedish bank SEB estimate Sweden’s GDP will drop 6.5 per cent this year, about the same as the US and Germany, but a little better than Norway and ahead of 9-10 per cent falls in Finland and Denmark, all of which have had lockdowns.
But Mr Oxley stressed that Sweden was still dependent on demand and supply chains in other countries. “There’s only a limited amount of upside to being contrary when the rest of the world is doing the opposite,” he added.
https://www.ft.com/content/93105160-dcb4-4721-9e58-a7b262cd4b6e
TLDR: A estratégia da Suécia é diferente mas as intenções são bem diferentes do que as pessoas tem falado nesse sub. É sobre a economia (ou políticos)? NÃO. É a melhor estratégia? É cedo pra dizer. Eu recomendaria para o Brasil? NÃO. O Brasil: não tem capacidade nos hospitais, as cidades são imensamente mais densas, as pessoas moram com a família, gostam de contato físico e não gostam de seguir recomendação governamental.
submitted by mechanical_fan to brasil [link] [comments]


2020.03.18 19:04 I_wanna_trade Como Abrir Conta na TD Ameritrade e Virar Autista Internacional

Você sempre sonhou em ganhar tendies na bolsa americana?
Acompanhar os bets dos autistas do /wallstreetbets ?
Aqui explico (de forma bem rápida e sem tantos detalhes, com prováveis erros) como abrir uma conta na corretora TD Ameritrade, uma das corretoras americanas que aceita autistas estrangeiros.
Requisitos: - R$ 10 de limite em um cartão de crédito internacional - LeEscrever em Inglês - Ter Passaporte é altamente recomendável
Vamos lá:
  1. Acesse https://start.tdameritrade.com/select e escolha o tipo da sua conta. Tip: Você provavelmente deve escolher a Individual brokerage
  2. Preencha as informações pessoais. Tips:
    • Em Do you already have a TD Ameritrade or paperMoney® account? - Você não tem, então escolha NO
    • Preencha First Name / Middle Name / Last Name exatamente igual o seu passaporte, caso você tenha um.
  3. Preencha as informações financeiras.
    • Não minta ou omita informações aqui
    • Em Sweep of uninvested cash escolha My brokerage account, vai facilitar no Imposto de Renda, me agradeça depois!
  4. Faça o download do formulário de aplicação e do formulário W-8BEN. Tips:
    • Se quiser adicionar um contato de confiança na sua conta, tb faça o download do formulário especifico.
  5. Imprima os documentos, preencha os campos necessários, assine e escanei-os em seguida. Tips:
    • No formulário W-8BEN, o Reference Number é o número da sua conta na TD Ameritrade, este número está no arquivo de Application que você baixou.
    • Ainda no W-8BEN, Foreign tax identifying number é o seu CPF
    • Não esqueça do seu documento de identificação, comprovante de residência (precisa ser uma conta de água / luz / energia, faturas de cartões não são aceitos!) e o extrato bancário (dos últimos 3 meses de preferência). Se possível circule com uma caneta os saldos mensais e os dados bancários no extrato.
    • Se não tiver passaporte, mande sua carteira de motorista / RG e coloque uma folha informando que é a sua Driver's License ou ID Card.
  6. Envie os documentos via Fax. Sim, essa tecnologia antiga e ainda muito utilizada. Existem inúmeros sites que permitem enviar Fax online, eu usei o https://www.innoportexpress.com/fax/ e conheço quem enviou pelo https://www.gotfreefax.com/. Escolha um, ou procure outros, vai custar no máximo R$ 10.
  7. Uns 3 dias úteis depois a sua conta será aprovada. Quando não é aprovada, eu não sei o que acontece, então se vira e posta aqui depois.
  8. Depois de aprovada, você não vai conseguir logar na sua conta, pois os detalhes irão vir em uma carta pelos correios. Se você sabe Inglês, você está com sorte, pois pode evitar essa espera para ficar rico ou perder tudo que têm! Basta entrar em contato direto com o suporte ao cliente deles via telefone, e falar que quer receber seu Account User ID pois não quer esperar ser enviado pelos correios, o número é 800-454-9272, mas tem um catch, este é um número toll free nos Estados Unidos (0800), e a AT&T tem um serviço no Brasil que faz chamadas gratuitas para estes números, basta ligar para 0800 888 8288e seguir as instruções.
Parabéns, você oficialmente possui conta em uma corretora americana. Porém, para operar opções, você precisa de mais alguns passos:
  1. Imprima esse formulário: https://www.tdameritrade.com/retail-en_us/resources/pdf/TDA2334.pdf
  2. O formulário em si deve ser auto descritivo, só precisa ficar atento em dois pontos:
    1. Se quiser operar com margem e ser full autista, deixe desmarcado a opção na etapa 4, Margin Privileges.
    2. Para operar opções, deixe desmarcado a opção na etapa 7, Options Account. Em Options Objectives marque o que pretende fazer. Lembrando que do Tier 2 with margin em diante exige uma análise maior por parte deles, e obviamente exige que você tenha deixado desmarcado o campo em Margin Privileges. Se você optar por ter Margem a análise do seu pedido provavelmente será mais criterioso, e portanto existem mais chances de ser negado. Você pode sempre começar sem margem e aplicar depois.
  3. Assine o documento, e escanei o mesmo em seguida. Não precisa mais pagar FAX para enviar!
  4. Logado na sua conta no TD Ameritrade, vá no menu superior Client Services -> Message Center e clique em Compose, ou apenas clique nesse link seu/sua preguiçoso/preguiçosa: https://invest.ameritrade.com/grid/p/site#r=jPage/cgi-bin/appsEmailus, clique em Name coloque seu nome, Choose a topic escolha Client Services e em Inquire About escolha Options. Agora é só escrever um e-mail bem formal, como se você fosse o dono de um fundo multimilionário que opera com alavancagem de 100x, pedindo para habilitar Options Trading na sua conta, e caso tenha escolhido ter margem, tambêm informar isto no texto, em seguida adicionar o PDF que você escaneou e enviar!
  5. Esperar
Boa sorte, se tudo der certo você estará pronto para imprimir tendies.
Sobre como mandar dinheiro para a sua conta, eu utilizo a RemessaOnline, poderia botar meu link de referral aqui, mas foda-se (se quiser mando via PM). O custo sai em mais ou menos 1% a 2% do valor. Se procurar na internet provavelmente acha algum cupom para o primeiro envio ser gratuito. Geralmente eu mando o dinheiro pela manhã e no meio da tarde já está disponível na corretora.
(Qualquer dúvida pode me mandar PM)
edit: formatting is hard
submitted by I_wanna_trade to farialimabets [link] [comments]


2020.03.02 12:50 Morpheuspt [MEGATHREAD] Coronavirus em Portugal e no Mundo - Thread de discussão

Bom dia a todos. Agora que já fazemos parte dos paises com representação do Coronavirus, decidimos que seria interessante abrir uma megathread sobre o assunto. Estejam à vontade para discutir todo o impacto do virus, nacional e internacional, em todas as suas vertentes. Não se acanhem tambem de partilhar recomendaçôes para quem possa ser infectado, entre outros paradigmas que achem uteis.
Deixo o LINK para a secção de perguntas e respostas da DGS sobre o CoVID19.
Sempre que precisarem, têm disponivel o número de telefone do Saúde 24 (808 24 24 24) para onde qualquer pessoa (fale Português ou Inglês) pode ligar se sentir necessidade. Se necessário o Saúde 24 presta apoio e pode orientar a pessoa para atendimento profissional ou mesmo providenciar transporte médico adequado. Também existe um site que explica tudo. Em Português:(https://www.sns24.gov.pt/o-que-e-o-sns24/) in English:(https://www.sns24.gov.pt/en/)
EDIT: 03/03 - 18:31 : Dois novos casos em Portugal.
EDIT: 04/03 - 9:43 : Mais um caso
EDIT: 05/03 - 9:58 : São já oito os infectados.
EDIT: 06/03 - 12:49 : Com o crescente número de infectados, não vou actualizar caso a caso.
EDIT: 07/03 : Update do Publico.
EDIT: 08/03 : 25 vítimas identificadas
submitted by Morpheuspt to portugal [link] [comments]


2020.01.28 13:05 expanssiva Veja agora as 10 vantagens de uma gráfica online

Veja agora as 10 vantagens de uma gráfica online
No início dos anos 2000, permitiram obter suas impressões em apenas alguns cliques. Tudo o que você precisa é de um PC para fazer seu pedido pela Internet e receber suas impressões em casa ou no escritório depois de alguns dias, quase por mágica.
Assim, a tecnologia digital revolucionou o mercado de artes gráficas, reduzindo custos e reduzindo significativamente o tempo para pequenas tiragens.
Esses fatores decretaram o sucesso das gráficas online, que renovaram suas máquinas inserindo as primeiras impressoras a jato de tinta e toner e se especializaram gradualmente na impressão digital e isso se torna uma das vantagens da gráfica online.

1. Custos baixos

O trabalho de pré-impressão é reduzido ao mínimo, porque, diferentemente da impressão offset, no digital não é necessário preparar chapas litográficas, montá-las e preparar a máquina.
Isso permite que você imprima poucas cópias de um documento sem o “lastro” de custos fixos, que devem ser considerados na impressão offset tradicional.
Muito conveniente para você, porque você pode decidir imprimir algumas dezenas ou centenas de cópias do que precisa, apenas quando necessário, e não precisa mais armazenar pilhas de caixas dobráveis ​​ou catálogos com anos de idade debaixo da mesa (sentindo-se culpado por jogá-los fora).

2. Sustentabilidade ambiental

Obviamente, as tintas também são usadas na impressão digital, como de fato em qualquer tecnologia de impressão.
Mas vale dizer que mais uma das vantagens de uma gráfica online é uma economia de tintas, logo uma sustentabilidade ambiental.
Gráfica Online

3. Velocidade de produção

Como não há necessidade de preparar as chapas, calibrar as máquinas, prepará-las, assim, o processo de impressão digital é muito rápido.
Quando a impressora é lançada, a máquina começa imediatamente com a produção e seus cartões de visita ou folhetos dobráveis ​​saem da máquina rapidamente (sim, quase, porque antes que eles possam ser enviados, eles devem ser cortados e dobrados).

4. Impressão sob demanda

Você só imprime quando precisa e apenas o que realmente precisa. Não há mais a necessidade de “depósito”: apenas armários cheios de folhetos antigos e cartões de visita de pessoas que estão aposentadas há anos!
Isso também se aplica à tipografia, que não precisa mais armazenar chapas volumosas que podem ser usadas apenas uma vez ou descartá-las.

5. Pequenas tiragens

Ao mesmo tempo, quando a impressão offset era a única alternativa possível, para diminuir os custos, era necessário imprimir grandes quantidades de material de comunicação.
Hoje não é mais assim, e você pode se dar ao luxo de imprimir apenas o que você precisa, exatamente quando é necessário: banners,cadernos, cartões de visitas, folders e outros mais.
Assim, essa é uma das vantagens da gráfica online, que permite que você pode fazer tiragens muito pequenas sem aumentar os custos e os tempos de impressão.

6. Personalização

As modernas tecnologias de impressão, combinadas ao software, permitem um alto grau de personalização do produto.
Você tem total flexibilidade de design, também pode criar layouts completamente diferentes para cada produto: levando esse recurso ao extremo, por exemplo, você também pode optar por criar cartões de visita com todos os gráficos diferentes, mil cartões de visita com o layout um diferente do outro. Uma personalização muito mais simples, mas realmente eficaz, é dada pelo uso de dados variáveis ​​(em inglês Variable Data Printing ou VDP): você pode inserir números de série, nomes, imagens personalizadas para cada cliente ou se decidir imprimir um catálogo numerado.

7. Precisão de impressão

Até agora, a tecnologia de impressão digital de uma gráfica online tem uma ótima qualidade em termos de precisão de impressão.
Esses resultados são alcançados graças a sofisticados instrumentos eletrônicos (como o espectrofotômetro em linha) que medem a consistência das cores, a definição da impressão e mantêm um alinhamento perfeito entre a frente e as costas.

8. Do seu PC à impressora, tudo isso online

Deseja falar sobre a conveniência de uma gráfica online?
Os tempos são reduzidos ao mínimo e agora a Gráfica expanSSiva é, em todos os aspectos, uma extensão da sua impressora doméstica.
Você nem precisa se preocupar em usar o telefone: basta enviar o arquivo pronto para impressão via PC, selecionar as melhores opções para o seu produto e aguardar o correio tocar a campainha. Sem perda de tempo, tudo rápido e fácil.
submitted by expanssiva to u/expanssiva [link] [comments]


2019.12.13 01:57 SunTzuManyPuppies História: Como fui pra Alemanha aos 17 anos, algumas histórias da minha vida lá, e como me infiltrei no backstage de um festival de metal.

Esses dias fiz uma thread contando de quando comi pizza com o Motorhead. O post teve uma boa recepção, então resolvi escrever a história de quando me infiltrei no backstage de um festival na Alemanha. Só que detalhei demais, e acabou ficando mais um relato geral da minha experiência na Alemanha e uns contos que ocorreram por lá, e MUITO mais longo que o esperado! Se quiserem pular, a parte do festival está mais ou menos na metade.

Eu sempre tive dificuldade com os estudos. Reprovei a sexta série, e cada série seguinte foi uma tortura, passando de ano em ano sempre no limiar da esperança. Não é que eu era burro (não muito, pelo menos), inclusive sempre li muito, e tinha um conhecimento geral relativamente bom. Estudei meus primeiros anos em escola bilingue, e aos 3 anos eu lia fluentemente em português e inglês. Minha mãe achava que eu seria um prodígio, coitada... A questão é que eu não prestava atenção. Não suportava ficar parado numa sala de aula, me distraía com qualquer coisa. Eu simplesmente não escutava. Somando o fato de eu ser naturalmente preguiçoso, isso me rendeu muitos problemas durante o tempo de escola. Ironicamente, com 27 anos fui diagnosticado com déficit de atenção e hiperatividade, o que explicou muita coisa.
Quando terminei o segundo ano do ensino médio, falei pra minha mãe que não iria fazer o terceirão. “Ok”, ela disse. Ela sempre foi uma pessoa não convencial, e considerava todo o sistema escolar “bullshit”, nas palavras dela. Então decidimos juntos que eu iria passar um tempo na Alemanha, na casa de amigos da nossa família que estavam dispostos a me receber e me sustentar por lá. Tipo um intercâmbio mesmo. Eles tinham um filho da minha idade chamado Danny.
Meu pai, que Deus o tenha, fez um empréstimo e comprou minha passagem com volta pra Dezembro, e lá vou eu, em Fevereiro, sem falar um cu de alemão pra uma cidade de 100.000 habitantes chamada Cottbus, a 30km da Polônia – onde quase ninguém fala inglês, nem a maioria dos jovens. Suponho que seja algo cultural, por ter sido parte da Alemanha Oriental? Não sei. Sei que isso atrapalhou muito minha adaptação. Cheguei lá com 17 anos recém-completados.
Me matriculei numa escola pública, a mesma que o Danny estudava, o que não sei se fez muito sentido já que eu não falava a língua, mas parecia ser a coisa certa a fazer. Eu não pretendia passar o ano coçando o saco.
O ensino médio alemão é parecido com o americano, onde os alunos escolhem as matérias que vão cursar. Não lembro se haviam matérias obrigatórias, talvez educação física? Mas das que eram escolhidas, duas delas tinham que ser nível avançado, que tinham mais aulas por semana. Eu lembro de ter pego geografia, biologia, música, inglês, informática... e não lembro o resto, sei que ignorei matemática, física e química completamente. E pra matéria avançada escolhi inglês, já que era a aula que eu passaria mais tempo dentro da escola, pelo menos poderia me comunicar. E nas outras matérias não havia chance de treinar o alemão. Eles me liberaram da outra avançada devido à barreira idiomática.
Já ouviu aquela história de alemão ser frio? Pois é. E eu achava que curitibanos eram frios. Sempre fui meio extrovertido, tentava conversar com os outros estudantes, mas todos eram absolutamente indiferentes em relação a mim.
Isso contrastava muito com as escolas no Brasil, que quando eventualmente vinha um aluno de outro país, ele era assediado por todos. Por sorte o Danny me apresentou aos amigos dele e, se não fosse por isso, imagino que teria dificuldade em fazer amizades.
Inclusive uma vez, o único “metaleiro” da escola colocou um anúncio no quadro procurando um guitarrista pra banda dele, com um número de telefone. Nessa época eu já havia abandonado o “estilo” metal, mas comecei na guitarra aos 11 anos e, modéstia à parte, tocava bem pra caralho, e até então já tinha tido várias bandas. Pedi pro Danny ligar pra mim e o cara marcou um ensaio, mas quando ele descobriu que era comigo, ele cancelou. Sem nunca ter trocado uma palavra comigo. #xateado. Eventualmente montei uma bandinha lá, e tocamos em algumas festas.
Educação física era futebol o ano inteiro. Na minha primeira aula eu já havia sido apresentado como brasileiro. Os capitães que escolhiam os times chegaram a discutir pra ver qual time teria o brasileiro. Fui o primeiro a ser escolhido, e cara ficou felizaço que eu ia jogar no time dele. Se fudeu, sempre fui um pereba de marca maior, e a frustração na cara do capitão era visível. A partir desse dia, sempre fui escolhido por último.
Falando em amizades, na minha primeira semana lá, o Danny me chamou pra escalar. Eu topei, claro, e ele disse que o tio dele iria nos buscar. Maravilha. Daqui a pouco chega um jovem com cabelo espetado e cara de bebê, entra na casa direto, me cumprimenta e começa a fazer café da manhã pra ele. Imaginei que fosse um amigo do Danny, e perguntei que horas o tio dele chegaria. “Esse é meu tio”. O cara tinha 19 anos, um ano a mais que o sobrinho. Ele se chamava Sascha, e era um dos poucos (além do Danny) que falava inglês fluente. E ali foi o começo da maior amizade que já tive até hoje. O Sascha se tornou um irmão pra mim, e depois que voltei pro Brasil, ele veio me visitar praticamente todo ano, ficando sempre pelo menos um mês na minha casa. Anos mais tarde chegamos a morar juntos em Berlim por um tempo.
Então, o Danny e o Sascha decidiram fazer uma festa de boas vindas pra mim. A filha do Sascha havia nascido no dia que cheguei, e a então namorada e filha dele ainda estavam no hospital. A festa seria no apartamento do Sascha. Eu tinha 17 anos, já tinha bebido, já tinha ficado bêbado... mas nunca havia bebido como um alemão. Os caras são selvagens no que diz respeito a álcool. Só lembro de poucos flashs dessa noite, mas me recordo de ter acordado vomitado dentro do berço da filha recém-nascida do cara. O início de uma bela amizade.
O Danny estava fazendo auto escola. Alguns dias antes do teste dele, um amigo nosso, Martin, passou lá na casa com o carro do pai dele, um Civic, e nos levou pra um estacionamento vazio pro Danny praticar. Isso devia ser umas 10 e meia da noite. Ficamos uns quinze minutos ali rodando o estacionamento, quando o Martin perguntou se eu queria dar umas voltas também. Meu pai me ensinou a dirigir aos 14 anos, então falei que sim! Sentei no banco do motorista, apertei o cinto e acelerei por não mais que 5 metros, quando surgem dois carros de polícia. Nos param e mandam sair do carro. Menor de idade e sem carteira... fazem teste do bafômetro em mim, e nos deixam um tempão esperando enquanto falam no rádio. Meus amigos tentaram argumentar, mas os caras só ficavam mais putos. Eventualmente nos levaram pra casa na viatura, e pegaram os dados do meu passaporte.
Alguns dias depois chega uma carta do juiz falando que o que fiz foi gravíssimo e absolutamente inaceitável, e que eu corria risco de ser deportado. Na carta, ele pediu pra eu enviar a minha versão dos fatos, então foi o que eu fiz. Contei exatamente o que aconteceu, embelezando um pouco os fatos (“no Brasil não temos carros como na Alemanha, e meu sonho era dirigir um carro alemão”). Duas tensas semanas depois, recebo a resposta do juiz. “O susto foi punição suficiente. Não dirija novamente sem carteira”. Já o Martin levou uma multa nervosa.
Depois de alguns meses lá, recebo uma ligação da minha mãe. Meu pai sofreu um ataque cardíaco (o terceiro dele), e provavelmente não sobreviveria. Foda. O seguro pagou minha passagem de volta, e dois dias depois de eu voltar ele faleceu. Infelizmente não cheguei nem a falar com ele, pois estava sob sedativo. Depois disso fiquei mais três semanas com minha família, mas decidimos que era melhor eu voltar pra Alemanha enquanto eles se reerguiam aqui, além de ser um gasto a menos pra eles. Voltar pra Europa não foi fácil, cheguei a ter algumas crises de depressão e atravessar esse período de luto longe da família foi bem difícil. Pelo menos já havia feito algumas boas amizades por lá que me ajudaram durante esse momento.
Estava chegando o verão e a temporada de festivais. Não tinha companhia pra ir comigo, então decidi ir sozinho pra um festival no sul da Alemanha, quase na fronteira com a Áustria, chamado Earthshaker Fest. Iriam tocar, entre outras bandas, Motorhead, Sepultura, Kreator, UDO, Sabaton, Testament... Vi onde iria ser o festival e comprei um bilhete de trem pra cidade mais perto, que se não me engano era Kreuth. Comprei barraca, saco de dormir, e fui completamente na louca, falando mal e porcamente alemão, sem Google Maps e sem planejar nada.
Desembarquei em Kreuth (que ainda era longe do local do evento) e comecei a mostrar o panfleto do festival pra pessoas aleatórias na rua, e ninguém sabia nada. Chegou a bater um mini desespero, mas daí perguntei pra um senhor de bicicleta; ele deu um sorrisão e exclamou “JA, JA! Komm mit, komm mit! Follow! Follow!” e saiu pedalando, e tive que ir correndo atrás da bicicleta dele enquanto ele gritava “Follow! Follow!”. Depois de uns 10 minutos correndo, chegamos numa estação de ônibus. Ele me apontou um ônibus “This! Last stop!”. Eu agradeci, e embarquei no ônibus.
Depois de uma hora e meia de viagem mais ou menos, o ônibus já estava vazio. O motorista para num cruzamento no meio do nada com lugar nenhum e manda eu descer. “Letzter Halt!”, última parada. Obedeci, e o ônibus foi embora. Era uma encruzilhada, e não tinha uma alma viva ali perto. “Fodeu”, eu pensei, mas daí vi um carro estacionado bem longe, e fui até ele. Quando cheguei perto, vi que o banco de trás estava cheio de material de acampamento, e os caras estavam claramente indo pro festival. Ufa, pelo menos estou no caminho certo. Pedi uma carona, mas já sabia que não ia dar porque o carro estava cheio. Pelo menos eles me apontaram pra onde ir. “12km praquela direção”. Bom, é melhor eu começar a andar então...
Fui andando na beira da estradinha, que estava vazia. Quando eventualmente passava um carro eu levantava o dedão pedindo carona, mas não tive sucesso. Depois de uns 10 minutos caminhando, já tinha me conformado que teria que andar os 12km, quando ouço uma música vindo de longe. Olho pra trás, e é uma van vermelha tocando metal no último volume vindo na minha direção. Pensei “é agora ou nunca” e estendi o dedão. Os caras passam por mim e param uns 30 metros adiante.
Da van pula um alemão gritando, vestindo só um chapéu de bombeiro, colete de couro e um kilt, além de um copo de cerveja em cada mão. O som tava rolando alto, nem perguntei pra onde eles estavam indo, só entrei na van onde tinha mais 3 caras além do motorista, e TRÊS BARRIS DE CERVEJA. DOS GRANDES. Eles estavam eufóricos, rindo, berrando, falando comigo em alemão, e eu falei “WAIT, WAIT! Please, english only! I’m from Brazil”. Daí que os caras surtaram de vez “YEAAAH BRAZILLL, SEPULTURAA, FUCK YEAAAH” e fui alegremente bebendo na van até o festival.
Chegando lá, armei minha barraca do lado do acampamento deles e passamos boa parte do tempo juntos. O clima da área do camping era animal, muita gente se divertindo, bebendo, curtindo... aquela frieza típica dos alemães não existia lá. Chegamos um dia antes do festival começar, então os shows começariam só no dia seguinte.
O clima de camaradagem entre completos desconhecidos era algo que eu nunca havia visto. Uma hora eu estava andando pelo camping e tinha um cara sentado numa mesa do lado de um trailer. Ele me chama pra tomar uma cerveja ali com ele. Peguei uma garrafa que estava num cooler na mesa e disse “muito legal tua estrutura aqui”, e ele respondeu “não é meu!” Perguntei de quem é. “Não faço idéia!” Na mesma hora chega com um sorrisão no rosto o dono do trailer, um gordo barbudo cabeludo de 1,9m de altura. Ele se senta na mesa e distribui mais cerveja pra todo mundo, e ficamos um tempão ali enchendo a cara.
Inclusive não gosto muito desse negócio de síndrome de vira-lata, mas a diferença entre festivais do Brasil e de lá é brutal. Não é nem questão de estrutura, mas de energia mesmo. O último que fui aqui no Brazil, o Zoombie Ritual em 2013, porra, tinha uma galera escrota pra caralho, um cara chegou a puxar briga comigo por causa de barraca, me estressei bastante. Totalmente diferente. Enfim...
No festival encontrei dois brasileiros, um era representante da Roadie Crew e o outro acho que era do Whiplash, os dois estavam cobrindo o festival. Minha primeira noite de acampamento foi uma merda, dormi mal pra caralho, muito barulho e muita zona. Então combinei com o cara da Roadie Crew de pagar uma quantia pra ele e dormir no chão do quarto de hotel que ele tava, que era bem pertinho. Então a barraca ficou só de QG durante o dia no festival, e à noite tomava banho e dormia no hotel.
O legal desses festivais é que várias bandas fazem sessão de autógrafos, então aproveitei pra pegar autógrafos das bandas que curtia. E com absolutamente todas, eu chegava pra alguém “ei, vamo ali no bar tomar uma cerveja?”, e todas recusavam. Até que fui pegar o autógrafo de uma banda inglesa de prog metal relativamente desconhecida (que eu curtia pra caralho) chamada Threshold. O vocalista original tinha acabado de sair da banda, e quem estava cobrindo pra ele era um cara chamado Damian Wilson. Eu já conhecia o trabalho do Damian, ele fazia o vocal das músicas do Rick Wakeman (tecladista do Yes), Alan Wakeman, e fez também um personagem no que considero um dos melhores discos já gravados, “Into The Electric Castle”, do Ayreon.
Falei pra ele “bora tomar uma cerveja ali no bar?” e ele topou na hora, pulou por cima da mesa e fomos. Tomamos um chopp e ficamos batendo papo, mas chegava muita gente falar com ele. Ele disse “vamos no restaurante das bandas lá atrás que é mais tranquilo”, e eu respondi que não tinha acesso àquela área. O cara imediatamente tira a credencial de banda dele e coloca no meu pescoço. “Pode deixar que eu dou um jeito de pular ali por trás”.
CA-RA-LHO. Bom, tomara que essa merda dê certo. Passei tranquilo pela segurança, que viu a credencial. ACESSO TOTAL. Encontrei de novo o Damian ali atrás, e era mais ou menos hora do almoço do último dia do festival. Ele me pergunta se eu estou com fome. Tava morrendo de fome, e comendo mal pra caralho desde que cheguei. “Só um pouquinho”. Entramos no restaurante das bandas, e vários músicos estavam lá. Muitos eu não conhecia, mas que eu reconheci era o Paulo Junior do Sepultura, e o Mike Terrana do Masterplan.
Fui levado até a mesa da banda do Damian, onde ele me apresentou pra cada um da banda e me fez sentar ali. Peguntou “você come carne?” eu disse que sim, e lá foi ele fazer um prato de pedreiro pra mim no buffet. Enquanto almoçava fiquei conversando com os músicos, todos absurdamente simpáticos, e tirando a barriga da miséria. As mesas eram todas muito juntas, e daqui a pouco chega o Dani Filth pra almoçar, e senta exatamente do meu lado. Ele estava com “meia” fantasia pro show que ainda iria fazer, sem a maquiagem, mas com as calças do capeta. Eu até curto um pouco de Cradle of Filth, mas não conheço quase nada. Virei pra ele e falei “parabéns pelo álbum novo” (nem tinha ouvido na verdade). O cara foi um lorde gentleman, extremamente simpático, agradeceu e ficou um tempão falando sobre como o álbum foi escrito.
Dali a pouco o Damian diz “você gosta de Within Tempation? Vem aqui, deixa eu te apresentar eles”, e me levou até o camarim dos caras. Infelizmente só estava o guitarrista lá, e os dois ficaram conversando e eu fiquei boiando.
Não lembro exatamente como, mas acabamos nos separando. E eu fiquei com a credencial dele. “Bom, vou aproveitar né”. Andei por tudo lá atrás, cruzava com o pessoal das bandas, mas tentava não chamar muito a atenção. Encontrei meu amigo da Roadie Crew lá atrás “como que vc entrou aqui???” Contatos, meu amigo... na hora do Motorhead, entrei pelo backstage e assisti sentado no palco, de trás, quase do lado da bateria. No meio do show, resolvi ir ali no chiqueirinho dos fotógrafos, na frente do palco, tirar umas fotos. Vários fotógrafos profissionais com câmeras gigantes, e eu com a minha camerazinha mais barata do mundo. Nesse momento quase deu merda: eu ainda estava com a pulseira de “plebeu”, de público normal. Um segurança agarrou meu braço, e eu imediatamente mostrei a credencial! O cara largou, mas ficou cabreiro, e eu saí logo dali.
O Motorhead foi a última banda a tocar. infelizmente só consegui a credencial no último dia, mas deu pra aproveitar o festival bem pra caralho do início ao fim e fechando com chave de ouro. Só com muita sorte pra ter outra oportunidade dessas.
No fim, adiei minha volta pro Brasil pra algumas semanas depois desse evento por conta da minha família. Mas olha, esse final de semana me abençoou num dos períodos mais difíceis que já passei.
Alguns anos depois, num show do Iron Maiden em Curitiba, encontrei o cara do Whiplash que conheci lá no festival. A primeira coisa que ele me disse: “CARA, o Damian Wilson tava louco atrás de vc!!! Ele se ferrou porque não conseguia ir em lugar nenhum sem a credencial!” Ops...
Um tempo depois contatei o Damian pelo Facebook, com a foto da tal credencial e pedindo desculpas. Ele nem se lembrava mais, achou engraçado, e me chamou pra tomar um pint quando eu estiver em Londres.
Na foto, a credencial e alguns dos autógrafos que peguei durante o evento. Desculpem se enrolei demais e fugi do tema, mas acabei me empolgando.
Qualquer hora conto a história de como enchi a cara com o Edguy, mas daí sem incluir a minha história de vida.

https://imgur.com/a/19VyNWP
https://i.imgur.com/kMHIDEq.jpg
submitted by SunTzuManyPuppies to brasilivre [link] [comments]


2019.08.22 04:02 lais_miranda02 Tradução Juramentada

Se você tem o desejo de morar fora do Brasil e está em processo para conseguir cidadania, já deve saber que todos os documentos que devem ser enviados junto com o requerimento precisam estar no idioma do país que você quer se tornar cidadão, em tradução juramentada. Mas afinal, o que é tradução juramentada? Por que ela é tão importante? Esse é o tema do post de hoje.

Tradução Juramentada: o que é?

É uma das modalidades de tradução mais importantes que existem. Os decretos federais quanto a tradução juramentada indica que nenhum documento estrangeiro redigido em outro idioma, que não o do próprio país, tem validade. Sendo assim, é usada para conceder autenticidade a documentos de estrangeiros. Ela atesta que as informações traduzidas são verdadeiras, sem possibilidade de alteração.
A tradução juramentada é feita por tradutor público e interprete comercial, que possui esse título após passar em concurso público e possui cadastro na Junta Comercial do Estado no qual atua.
Para saber se o tradutor é juramentado, basta solicitar o número de matricula dele e fazer uma pesquisa na junta comercial. Também é possível pesquisar pelo nome.

Diferença entre tradução juramentada e tradução simples

A tradução simples é realizada por um tradutor qualificado, podendo ser uma tradução de website, legendamento de jogos e filmes, tradução de “abstract” para monografias e teses de doutorada e mestrado, tradução de textos jurídicos, manuais técnicos e demais documentos empresariais como procedimentos, relatórios, entre outros. A tradução juramentada, por outro lado, além de traduzir documentos importantes, o torna de efeito legal.
A diferença entre elas é que a tradução juramentada é feita por tradutor público e interprete comercial, que possui esse título após passar em concurso público e possui cadastro na Junta Comercial do Estado no qual atua.

Como é feita a tradução juramentada

Geralmente, a tradução é feita a partir do documento original, mas dependendo são aceitos em formato eletrônico, enviados por fax ou fotocópia simples/autenticada. Quando realiza a tradução, o profissional transcreve fielmente o documento. Ou seja, caso haja símbolos, selos ou elementos especiais presentes, será incluído na versão final também.

Onde encontrar tradutor juramentado

Há obrigatoriedade legal que a tradução juramentada seja realizada por profissionais concursados e cadastrados na Junta Comercial do Estado. Portanto, por mais que você seja fluente no idioma, você deverá recorrer a um tradutor juramentado.
O tradutor juramentado é habilitado em um ou mais idiomas, além do português, e tem como especialidade traduzir documentos de forma fiel e igual aos originais.
É preciso tomar muito cuidado na hora de contratar um tradutor juramentado. O último concurso foi realizado em 2000 e como o número de fraudes é alto, nós recomendamos que sempre cheque na repartição pública se o tradutor está habilitado a realizar o serviço.

Quanto custa a tradução juramentada?

A Tradução Juramentada é mais cara do que a simples. Por isso, antes de procurar um profissional para fazer a tradução, tenha certeza de que você está fazendo a solicitação somente daquilo que precisa.
O valor depende da quantidade de páginas e tipo de documento, conforme a tabela de preços da Junta Comercial do seu estado. Para saber quanto você vai pagar, é só pedir ao tradutor um prévia de valor e comparar no site da Junta Comercial. Vale ressaltar que se você pedir uma entrega antecipada, fica mais caro.
A 4Doc atua com tradução juramentada com o melhor preço de mercado. Você pode fazer o orçamento rapidamente pelo site. Todo o processo de orçamento e produção ocorre eletronicamente. O documento original é enviado via correio.

Tradução juramentada italiana

Se o seu desejo é morar na Itália, você vai precisar encontrar uma empresa especializada para te ajudar com a tradução dos documentos solicitados pelo Consulado Italiano. São eles:

📷

Seus documentos

♦ Árvore genealógica
♦ Ficha de Cadastro para requerimento
♦ RG, CPG, Título de Eleitor (Cópia e Original)
♦ Comprovante de Residência (no máximo, de 6 meses)
♦ Certidão de registro civil em inteiro teor apostilados, em segunda via original, recentes e em bom estado.

Documentos dos ancestrais

♦ Certidão de casamento
♦ Certidão de óbito
♦ Certidão de Naturalização (se houver)
♦ Certidão Negativa de Naturalização
♦ Estratto dell’Atto di Nascita emitido pelo Comune competente OU Certidão de Batismo, emitido pela Paróquia local.
Existem 3 caminhos para conseguir a cidadania italiana. São eles: Via Consulado da Itália no Brasil, Via Judicial e Via Comune. Entenda melhor como funciona o processo de cidadania italiana.

Conheça a 4doc

A 4Doc é uma empresa especializada em tradução de documentos simples e juramentada, nos idiomas italiano, espanhol, francês, inglês, alemão e português. Se o seu interesse em tradução de documentos for para processos de cidadania, conte com a gente. Temos apoio de profissionais multidisciplinares espalhados pelo mundo, que são capazes de tornar tudo mais fácil.
Entre em contato:
Telefone/Whatsapp: (13) 99734-0924.
Endereço: Av. Ana Costa, 311 – Conj. 93 e 94 Gonzaga – Santos – SP – 11060-00
Peça orçamento pelo site.
submitted by lais_miranda02 to u/lais_miranda02 [link] [comments]


2019.08.15 22:39 CaPeBaLo Eu compartilhei o meu número de telefone. Eu aprendi que não deveria. [artigo em inglês; traduzido nos comentários]

Eu compartilhei o meu número de telefone. Eu aprendi que não deveria. [artigo em inglês; traduzido nos comentários] submitted by CaPeBaLo to brasil [link] [comments]


2019.08.15 22:37 CaPeBaLo Eu compartilhei o meu número de telefone. Eu aprendi que não deveria. [artigo em inglês; traduzido nos comentários]

Eu compartilhei o meu número de telefone. Eu aprendi que não deveria. [artigo em inglês; traduzido nos comentários] submitted by CaPeBaLo to InternetBrasil [link] [comments]


2019.05.12 16:26 chickenchicken2468 [DQ] Ao redor do candelabro

12/05/2019. Tema: vida e morte

Ao redor do candelabro
Era uma noite de tempestade, mas isso não era um grande problema para quem vivia num apartamento no centro de São Paulo. Os trovões se confundiam com o barulho dos carros, a chuva caía forte, mas o décimo terceiro andar estava acima de qualquer enchente no Túnel Rebouças.
Ou quase.
Depois de um forte clarão lá fora, as luzes do bairro inteiro apagaram.
— Espera um pouco, gente! Já sei!
Fernanda abriu um armário e tirou de lá um candelabro de ferro, todo entalhado, com cinco velas. Acendeu e iluminou a Fer, a Ju e a Lari.
— Fer, por que você tem um candelabro em casa?
— Foi coisa da Bruna! Ela comprou pra mim quando a gente estava pra voltar de Nairobi.
— Nairobi?
— É, no Quênia. Foi naquela viagem de safari no ano retrasado.
— As fotos ficaram lindas! Eu curti todas no seu Instagram!
— Então, daí quando a gente estava indo do hotel pro aeroporto, já na volta, aconteceu que o ônibus estava demorando muito. Daí a Bruna começou a falar com essa senhora que estava vendendo um monte de coisas. A mulher começou a contar da filha dela que tinha morrido de doença quando era bem criança. É até difícil contar. Quando era ela mesma contando, dava até arrepio. Ela falava da criança correndo na vila que ela morava, com aquele inglês com sotaque pesado, e a Bruna sempre lá perguntando. Eu só estava querendo ouvir a história e olhar as coisinhas que ela tinha para comprar. Daí eu perguntei para a moça de onde tinha vindo o candelabro. — Fernanda pegou seu copo d`água e tomou um gole — Ela disse que tinha sido um presente da mãe dela, e que ela tinha usado para iluminar o velório da filha.
— Ah. — Ju tomou um gole de vinho. — que história triste.
— A Bruna perguntou pra ela como que tinha sido, e aí ela foi contando que no velório na vila dela cada um que chega conta uma história da pessoa que morreu. E aí é como se a memória dela vivesse para sempre, entende? Para eles, a morte não é o fim de tudo, é só o fim de um ciclo, mas a pessoa continua tendo mudado o mundo em que ela viveu.
— Por que ela estava vendendo isso?
— Parece que ela estava vendendo o que tinha. Pobreza extrema é foda, né? Acho que ela estava precisando voltar para a vila. Eu comprei o candelabro, e a Bruna ainda deixou uns duzentos dólares a mais com ela.
— Nossa. E falando nisso, cadê Bruna?
— Deve estar vindo. Ela já chegou na hora alguma vez na sua vida?
— Verdade, Fer! Nossa, me lembrei quando eu fui com a Bruna para o Rio de Janeiro. O vôo era sete horas da manhã, a gente chegou em Congonhas às seis e quinze. A gente passou no terminal quando o portão já estava quase fechando, e aí todo mundo no avião olhou torto pra gente.
— Ainda bem que vocês entraram, as fotos ficaram muito boas!
— Eu nem tenho Instagram!
— Mas a Bruna tem! Vi vários stories de vocês no cristo, na praia e também naquele lugar que o povo aplaude o Sol se pondo…
— O arrpoadorr! — disse Ju, com uma entonação de quando uma paulistana tenta falar com os erres da zona Sul do Rio.
— Isso!
— Olha, o Rio foi muito legal, mas o povo é muito mais relaxado. Aqui em São Paulo, quando você vai num restaurante, se a comida demora a gente quase baixa um processo. Lá no Rio não. Você pede uma caipirinha e pode ficar olhando o mar porque vai demorar. Mas o pessoal se vira bem. Acho que a gente de São Paulo podia passar mais tempo só olhando as ondas do mar, se aqui tivesse mar. Sei lá, a gente podia passar mais tempo assim…
— … contemplando?
— Contemplando! É, foi muito legal. Várias vezes lá no Rio eu a Bruna ficamos só olhando as praias, as pessoas, ouvindo os sons, sabe? Foi muito bom.
— Mas no Rio não é perigoso ficar parado na rua?
— É um pouco. Mas as ruas continuam cheias, então acho que eles não pensam nisso o tempo todo. Tem que se prevenir um pouco. A Bruna até trocou o nome da mãe dela no telefone de "mãe" para "Dona Marta" só para evitar sequestro relâmpago. Isso é complicado. Lá no Rio eles fazem isso como se fosse normal!
— Como que isso evita sequestro?
— O sequestrador não consegue saber para quem ligar e pedir o resgate.
— Mas e se acontecer alguma coisa? Como vão achar para quem ligar?
— Ah, sei lá! Vira essa boca pra lá, Fer!
— Acho que a Bruna é carioca!
— Ela parecia carioca mesmo, naqueles bailes funk que a gente foi!
— Ou então ela é porque ela é de peixes!
— Ela parecia estar bem feliz por lá.
— Todo mundo já viajou com a Bruna, menos eu!
— Ah, Lari, não fica assim! Vocês vão viajar juntas um dia!
— Mas eu já fui com ela em um buteco que vocês não foram!
— Como assim?
— Foi depois do velório da minha mãe. Vocês duas estavam no intercâmbio, mas a Bruna estava aqui.
— No intercâmbio? Então isso já faz uns cinco, seis anos?
— Sim. A Bruna ficou me ouvindo falar da minha mãe. Estava um dia tão bonito, todo ensolarado! Tinha chovido muito na noite anterior, e o cemitério era um campo todo cheio de árvores e flores. Daí a Bruna me abraçou enquanto eu chorava. Ela foi uma fofa, porque eu chorei acho que por umas duas horas. Ela me disse que as pessoas boas, quando morrem, viram pó de estrela e se espalham pelo universo. E aí, depois do enterro, ela me levou pro buteco, só porque era lá perto. A gente nem bebeu nada, mas eles faziam um suco de melão muito bom. A Bruna conhecia o dono. Ele é um velhinho muito simpático, o Seu Mário. Aí ele fez pra gente uma costela especial.
— Por que a Bruna conhecia o dono?
— Ela me disse que a Dona Marta tinha levado ela naquele buteco logo depois do enterro do pai dela. E Dona Marta conversa com todo mundo… acho que foi daí que a Bruna puxou essa simpatia toda! A minha mãe, antes do Alzheimer, era muito falante também. Mas aí ela foi esquecendo das palavras, dos rostos, daí das pessoas. No finalzinho, ela se esqueceu de mim. Quando ela morreu foi muito triste, mas foi um alívio também. Agora ela virou pó de estrela, e ela deve ter virado um pedacinho de um monte de árvores e flores por aí.
— Isso tem cara de frase da Bruna.
— Foi mesmo. Ela é muito sensível, né? Na verdade, ela também disse que cada um de nós é um pouco flor e um pouco árvore, mas eu achei isso meio brega e não quis falar.
— Meio brega, mas você está enxugando as lágrimas de pensar nisso.
— Ah, vá. — Lari passou o dedo perto do olho, enxugando as lágrimas tentando sem sucesso não borrar a maquiagem.
— Ela deve ter aprendido isso tudo com a Dona Marta. Nem imagino como deve ser ter que consolar a filha porque o pai morreu de doença.
— É, eu conheço ela desde criança! Sorte minha! A gente falava que ia ter filho juntas! — disse Fernanda.
— Uma com a outra?
— Não, Julianny! Cada um o seu próprio filho!
— Falando em filho, Dona Fernanda, estou vendo você aí só na água enquanto todo mundo está no vinho. É por isso que você chamou a gente aqui?
Fernanda ficou vermelha. Ensaiou que ia dizer alguma coisa, mas não respondeu. Larissa se adiantou:
— Só assim prá gente se encontrar!
— Pára gente. Eu queria falar disso só quando a Bruna chegasse!
O telefone da Ju tocou.
— É a Bruna! — atendeu, sorrindo, mas foi ficando séria — Oi! Oi? Ah. Sim. Julianny, com ípsilon e dois enes. Sim, isso. Sim… onde? Sério? Como? Ah, bem, obrigada…
Julianny desligou e se sentou, com os olhos cheios de lágrimas.
— Gente, a Bruna morreu.
— Como assim?
— Era do hospital. Me ligaram porque era o número que estava na agenda de telefone dela. A gente tem que buscar a Dona Marta… Fer, você dirige?
— Vamos.
... .... .... .....
No dia seguinte, o céu estava azul e sem nuvem nenhuma. O corpo da Bruna foi enterrado debaixo de uma salva de aplausos. Aos poucos, todo mundo foi embora. A família da Bruna se abraçou e voltou prá casa. Os amigos mais distantes saíram, um por um. Ficaram ali as três, olhando.
— E agora, o que a gente faz? — disse Julianny.
Fernanda, entristecida, pensou na própria gravidez:
— Acho que guardei essa surpresa por muito tempo. A Bruna ia ter ficado feliz de saber.
Larissa abraçou as outras duas, que começaram a chorar. Ficaram ali por algum tempo. Não marcaram a hora, mas foi tanto tempo quanto precisavam. Quando o choro ficou mais calmo, Larissa pegou a mão das amigas e disse:
— Ela está se espalhando pelo universo. Daqui a um tempo, ela vai ter virado um pedacinho das árvores e das flores. Mas nós ainda não. Venham. Sei de um lugar aqui perto que tem um suco de melão delicioso. Eu conheço o dono!
FIM.
submitted by chickenchicken2468 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.02.28 11:38 Deadboltx Como vai essa spam folder?

Bons dias,
Gostava de partilhar convosco algo insólito que me acabou de acontecer.
Sempre fui fã de me inscrever em um ou outro passatempo para ganhar uns bilhetitos de cinema à pala ou algo mais (já ganhei coisas bastante interessantes mas nada de muito valor).

Após algum tempo sem participar, hoje decidi entrar nesse mesmo site onde convergem este tipo de ofertas, decido participar num concurso da magazine cinema:

"OFERTA DE 2 BILHETES PARA UM FILME A SUA ESCOLHA com pipocas e bebidas incluídas"


Não duvido da legitimidade disto porque já ganhei anteriormente.
O curioso está quando consultei as tais letras pequenas aquando preenchimento dos meus dados pessoais:

"Tomo conhecimento que os meus dados pessoais são tratados de forma segura e de acordo com a legislação de proteção de dados pela Content Ignition e aceito ser contactado por correio, telefone ou e-mail sobre ofertas relacionadas com este passatempo ou sobre ofertas personalizadas de produtos e serviços dos seus parceiros."

Olhando para estes... parceiros, vi isto:

PATROCINADORES

Mais um caso do "tem atenção às letras pequeninas!"
submitted by Deadboltx to portugal [link] [comments]


2019.02.21 16:38 1Warrior4All Scam com alegado suporte técnico da Microsoft

Boas, venho relatar uma situação que me aconteceu a mim e que pode servir de aviso para pessoal desprevenido. Acabei de receber uma chamada no telefone fixo e como era de um número 21 atendi porque pensei que fosse do banco ou da Vodafone, ou algo do género. Quando atendi era um gajo a falar inglês, com sotaque indiano, a dizer ser do suporte técnico da Microsoft. Disse que tinham detetado conteúdo malicioso no meu computador e que me podiam ajudar a resolver este problema. Claro que a partir daqui eu desconfiei logo: ligar-me para o telefone fixo, a falar em inglês e a querer uma via de entrada para o meu computador? Não dei nenhuma informação privada, desliguei, mas passado 1 minuto voltei a receber chamada desta vez de outro número, completamente estranho em Portugal. Não atendi e passado uns minutos volta a acontecer, com novo número. Nenhum deles consegui encontrar no sync.me.
Fiquei um pouco assustado, porque tenho medo que esteja em alguma lista de spam, o que é estranho porque nunca me inscrevi em serviço nenhum com o telefone fixo. Após uma pesquisa encontrei isto e os "sintomas" correspondem. Portanto digam-me se já passaram pelo mesmo e espero que tenha servido de alerta, porque esse artigo é de 2015 e estamos em 2019 e continua a acontecer, aparentemente.
submitted by 1Warrior4All to portugal [link] [comments]


2018.10.13 17:09 dan_araujo Como Otimizar Tempo de Duração da Bateria OP3/3T

Todas as etapas mencionadas neste tutorial são seguras de usar e não afetarão quaisquer aplicativos ou dados. Siga exatamente o que o tutorial diz, por isso leia atentamente. Não nos responsabilizamos caso as etapas forem executadas de maneira errada
Etapa 1: Habilite o Modo Desenvolvedor Entre no menu inicial do Android e acesse “Configurar”. Em "Sistema", localize a opção “Sobre o telefone”. Role a tela até encontrar “Número da versão”. Dê sucessivos toques (aproximadamente 7) na opção até que apareça a mensagem “Você agora é um desenvolvedor”;
Etapa 2: Acesse o menu Opções de Desenvolvedor. Agora nas configurações iniciais o menu chamado Opções do desenvolvedor – role para baixo e encontre-a, clique nela e ative-a. Há muitas coisas lá... mas não se preocupe! Habilite somente a reinicialização avançada e o Modo de Hibernação (Doze) apenas. Não faça mais nada!
Passo 3: Vá para as configurações principais novamente – selecione bateria - olhe para o canto superior direito, Você pode ver 3 pontos - clique neles - selecione Hibernação de app agressiva. É habilitado lá. Desative-o. (É importante que você desative isso)
Etapa 4: Vá para configurações - Armazenamento e memória – selecione Armazenamento - Clique em Dados em cache - Pressione OK.
Passo 5: Vá para configurações - Aplicativos - selecione Serviços Google Play entre a lista - clique em armazenamento - gerencie espaço - limpe dados. Depois disso, não pressione de volta em nem o botão home.
Etapa 6: Pressione e mantenha pressionado o botão liga/desliga - selecione reiniciar - Você pode ver três opções agora! Isto é - Reiniciar, Recuperação, Bootloader. Pressione Recuperação e seu telefone iniciará automaticamente no modo de recuperação. (Não é mais necessário apertar ao mesmo tempo (botão + de volume e botão de energia).
Etapa 7: Muita atenção nesta etapa: Quando estiver no modo de recuperação - Selecione o idioma Inglês - escolha Wipe Data and Cache - clique na opção Wipe Cache - Pressione Ok - Então aparecerá duas opções - Reboot , Done - Pressione Reboot e o seu telefone inicializará normalmente.
Não faça nada como desbloqueá-lo ou qualquer coisa após reiniciar, espere por algum tempo... mínimo 2 minutos depois de mostrar a tela de bloqueio.
Nota: Após todo esse processo habilite o modo de Hibernação de aplicativo em configurações de bateria e desative a inicialização avançada nas configurações do desenvolvedor após seguir todas as etapas (Deixe o Modo Doze ativado nas configurações do desenvolvedor)
Por favor, conte-nos aqui nos comentários se funcionou.
Fonte
submitted by dan_araujo to oneplusbrasil [link] [comments]


2018.10.10 14:13 Jojo-ffm Mais alguém a receber chamadas esquisitas?

Têm ligado cá para casa, um dos números era do UK e outro era da figueira da Foz e já houve outro nr de Portugal tambem, quando se atende falam em inglês. A primeira vez que a minha mãe atendeu e ela não percebendo desligou o telefone. Hoje o mesmo aconteceu e passou-me o telefone e só ouvi "your computer, ok?"
Achamos estranho mas nunca nos aconteceu tal coisa e quero descobrir o que seja
submitted by Jojo-ffm to portugal [link] [comments]


2018.05.14 23:21 QuintoImperio Uma vez estava eu em Paris, e quando chego ao aeroporto reparo que o meu voo tinha sido adiado umas 3 horas...

Uma vez estava eu em Paris, e quando chego ao aeroporto reparo que o meu voo tinha sido adiado umas 3 horas. Grande merda. Como bom Português que sou, fui logo ao balcão reclamar, dizer que aquilo era uma pouca vergonha, que não tinha jeito nenhum... o costume. Mais numa de avacalhar e passar o tempo, até porque estou farto de saber que no fundo é tudo uma cambada de chulos e reclamar quase nunca dá em nada. Atrás de mim, uma voz melódica diz:
— Tem calma, amigo. Tudo se resolve.
Olho para trás e, qual não era o meu espanto, quando me deparo com o Toy! Pelos vistos estava de regresso de um concerto lá numa comunidade de emigras 'tugas. O Toy toca-me gentilmente no ombro, afasta-me para o lado e dirige-se para o balcão. Então, no melhor francês que alguma vez ouvi vindo de um português de gema, começa a falar com a funcionária do balcão, assim num tom um bocado para o flirt e notei que ela se derreteu logo toda. Passado um par de minutos, ele saca de um cartão TAP Victoria Platinum Premium Special Edition, e pede-lhe para nos fazer upgrade para classe executiva - a ele e ao seu novo nouvel ami (eu!). Enquanto a menina tratava de nos mudar os lugares, ele vira-se para mim e diz:
— Sabes como é, voo tanto com os meus concertos que acabo por ter milhas que nem consigo usar. Hoje estás com sorte e vamos os dois à grande e à francesa, caralho! E quando chegarmos ao aeroporto não te preocupes com boleias nem o caralho, eu levo-te a casa. Estás c'o Toy estás com Deus, pá!
Se ao início me sentia um bocado constrangido, o tom extremamente amigável do Toy acalmou-me. Recebemos os novos cartões de embarque, e fomos para a lounge. Depois de nos sentarmos, com uma taça de champanhe cada um e um prato de ostras à nossa frente, ele, chupando as ostras de forma ruidosa, mostra-me que na parte de trás do cartão de embarque dele estava um número de telefone, certamente o da funcionária do balcão.
— À boa, olha só para isto: é assim que se faz. Mal posso esperar pelo meu próximo concerto aqui, venho dois dias antes e aposto contigo um porco em como lhe vou ao rabo.
Rimo-nos destas e de outras piadas javardolas, até que o telemóvel dele começa a tocar a música "Maravilhoso, coração, maravilhoso". Antes de atender, vira o telemóvel para eu ver. No ecrã estava o nome e a foto do Marco Paulo:
— É o Marquinho. Há meses que não o vejo, vamos lá ver o que ele tem para me contar.
O Toy foi falando ao telemóvel, respondendo com os "sim, sim" e os "hum-hum" habituais de um telefonema, mas com crescente nervosismo. Quando desliga o telemóvel, e como já me sentia à vontade com ele, perguntei-lhe se estava tudo bem. Ficou calado durante um minuto, até que me respondeu:
— Epá, o Marco acabou de me dizer que o Alec Baldwin está por Portugal Eu e o Alec temos assim uma rivalidadezita, e aposto que o gajo vai tentar arranjar maneira de me foder o juízo.
Nunca imaginei que o Alec Baldwin passasse por Portugal, e muito menos que tivesse como passatempo irritar o Toy. Mas quem era eu para duvidar?
Antes de embarcarmos no avião, reparei que a hospedeira que verificava uma última vez os cartões de embarque ficou um tanto enojada com as manchas dos dedos que o Toy, que tinha comido duas pratadas de ostras, lhes tinha deixado.
— Como se a tua parreca fosse mais limpa — disse-lhe o Toy (em Português, duvido que ela tenha percebido).
No avião serviram-nos massa com frango.
— Txiii c'um caralho — disse com a boca cheia — ainda bem que não paguei por nada disto, se não ficava fodido: frango com massa? Em executiva? Devem estar a gozar. Mas deixa lá, vamos ver qual é o vinho mais caro que eles têm para oferecer, só para dar prejuízo.
O frango até estava bom, mas acenei em semi-concordância. O vinho, esse sim, era bom. Pouco depois de nos trazerem a comida ele adormece e começa a ressonar ruidosamente. Então para me distrair meto os meus head phones e ponho-me a ouvir música. Passado um bocado, ele acorda todo estremunhado:
— O quê? O que foi? Já chegamos? Que é isso, estás a ouvir música? Algum dos meus CD's?
Fiquei um bocado constrangido, até porque não conheço música nenhuma dele, e antes de me tentar desculpar ele vira o meu telemóvel para ele:
— O quê? Lé Zepelim [sic]? Isso é bom, mas dá cá o telemóvel que eu ponho-te já isso a bombar.
Como me tinha pago o upgrade e feito companhia, não quis fazer figura de mal agradecido. Ele lá ligou um computador portátil e ligou-o ao meu telemóvel por USB.
— Ouve lá diz aí o teu código PIN de bloqueio que isto não está a entrar bem.
Depois de relutantemente lhe ter dado o código, ele lá se pôs a clicar com demasiada força ora no touchpad do portátil, ora no teclado, enquanto eu me distraía com a revista de bordo.
— Ora agora sim!! Não tens que agradecer, mas não fales a ninguém sobre isto. Se as minhas editoras soubessem... Faltava-te espaço no cartão mas apaguei algumas coisas que tinhas aí — disse, devolvendo-me o telemóvel.
Abro a app da música e reparo que me tinha apagado todos os ficheiros de música (mais tarde, descobri que tinha apagado uns vídeos do baptizado da minha sobrinha, dos quais não tinha backup) e substituído pela discografia dele. Uns 20 e tal álbuns, desde '85 até aos dias de hoje. Com cover art, tags e tudo. Sem outra escolha, fui o resto do voo a ouvir Toy. Foram só duas horas. fiquei +/- a meio do álbum Por Ti (um LP de 1990, fiquei a saber), a meu ver inferior ao álbum anterior - Mãe (três letras de saudade), de '89.
Depois de aterrarmos e irmos buscar as malas, agradeci-lhe por tudo e comecei, de fininho, a afastar-me. Aí ele diz:
— Então, então! Eu prometi que te dava boleia. Sou homem de palavra, ou pensas que digo as coisas só por dizer? Bora, o meu empregado já nos foi buscar o meu carro. Daqui a tua casa é um tirinho.
Nisto, chega o Alec Baldwin por trás do Toy, espeta-lhe um cachaço, e (em inglês) diz-lhe:
— Então, Toy? Continuas a conduzir aquela lata velha? Só chegas a casa às quatro da manhã.
— Lata velha o quê? Lata velha é a cona da tua tia.
Nisto começa a tocar a música "Depois de Ti/Tina". Vinha do meu telemóvel. O Toy tinha-me atribuído músicas dele como toques de telemóvel nos meus contactos. Ainda hoje, quando o telefone toca, às vezes calha uma música dele. Já as apaguei todas da pasta de música, mas mesmo assim de vez em quando toca música dele. Enquanto falo ao telemóvel para avisar os meus familiares que estava de chegada, etc. a discussão entre o Toy e o Alec ficou mais acesa.
— O caralho! O caralho! Anda! — e puxou-me pelo braço.
Fomos até ao carro dele - Um BMW, a julgar pela matrícula, de 2004 - trazido por um moço franzino que trabalhava para ele. Perguntei-lhe se estava em condições para conduzir, depois dos copos de champanhe e vinho que tínhamos bebido antes e durante o voo, mas cagou completamente para o que eu disse:
— Aquele filho da puta desafiou-me para mais uma corrida. Já lhe ganhei 8 vezes, e ele outras 8. Quem ganhar hoje fica em vantagem até à próxima corrida. É só daqui até Beja. Depois levo-te a casa ou arranjo quem te leve. É num instante. Bora lá!
Oh foda-se. Se tivesse apanhado um táxi já estaria em casa. Conduziu até ao lugar de partida combinado entre eles. Ao lado, o carro do Alec. Um bruto Porsche, novinho. Os vidros para baixo:
— Já sabes! A corrida é até Beja. O prémio, é o costume. — Disse o Alec Baldwin, piscando o olho.
3... 2... 1... o semáforo muda para verde e ambos os carros arrancam. O do Alec com uma aceleração superior, afastou-se aos poucos. Mas o Toy não pareceu preocupado
— Ele faz sempre isto, mas depois fode-se mais ou menos a 2/3 da corrida! Mais daqui a um bocado papamo-lo!
O Toy conduziu que nem um maníaco. Notando o meu crescente nervosismo disse que eu podia ligar o rádio. Mas que a antena estava partida e que por isso só dava mesmo para ouvir cassetes. Abro o porta-luvas, e a única cassete que tinha era o Champanhe e Amor (grande êxito do Toy, de 1996). Face às opções inexistentes, e como ainda não tinha ouvido esse, lá foi clássico a bombar no potentíssimo sistema de som que ele mandou instalar no automóvel.
De facto, quando nos aproximávamos mais do ponto combinado como meta, reparei que o trajecto ficava mais complicado. Curvas e contra-curvas. Pior que no rally. Mas o Toy dominava o veículo, chegando até a conzuzir com o joelho. De repente avistamos o carro do Alec Baldwin, que se estava a ver grego naquela parte do trajecto. Após lhe darmos caça, ultrapassamo-lo, às buzinadelas:
— TEM MEDO DE ESTRAGAR O CARRINHO!! TEM MEDO DE ESTRAGAR O CARRINHO!!!! FODO-O SEMPRE NESTA CURVA. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH PUTAAAAAAAAAA — acelerou ainda mais. Ia no mínimo a 200 Km/h.
O Alec passou o resto da corrida coladinho à nossa traseira, mas acabamos por lhe ganhar. O Toy sai, em êxtase, do carro, desata aos murros no capot do Porsche do Alec Baldwin: SEE, YOU FAGGOT? SEE YOU FAGGOT? YOU'RE MY BITCH, MY BITCH, AHAHAHAHAH. YOU FUCK WITH ME, YOU FUCKIN' WITH THE BEST YOU HEAR?!
Do nada aparecem a Scarlet Johansen e a Jennifer Lawrence (parece que compraram, cada uma, um apartamento em Beja).
— E este é o meu prémio — disse o Toy apalpando o rabo ora a uma, ora a outra. — Elas ficam sempre molhadinhas por quem ganha esta corrida. Já está no papo!! Já está no papo!! Ainda por cima comi ostras (conhecidas pelas suas propriedades afrodisíacas), grande tesão que tenho agora!! Vai ser foder até cheirar a presunto [sic].
Virou-se para mim e disse:
— E tu, meu novo amigo, estás com sorte. Estou generoso. Hoje das duas uma: ou vais agora para casa à boleia com o Alec Baldwin (ele perdeu, é o mínimo que pode fazer), ou vens comigo, e podes escolher uma destas duas moças, que eu pago-te uma estadia no melhor hotel de Beja, e fazes com ela o que quiseres. Para a segunda hipótese, só tens que me dar a resposta correcta a uma pergunta: Que álbum é que eu lancei em 2004?
A viagem de regresso a casa foi dos momentos mais constrangedores da minha vida. O Alec de vez em quando ria-se às gargalhadas à custa do meu infortúnio. Tentou consolar-me dizendo que tanto a Scarlet como a Jennifer, por muito boas que fossem, eram uma merda na cama, mas anda hoje não acredito. E o álbum de 2004 era o "É Só Sexo". Pelos vistos, até o Alec o sabia.
submitted by QuintoImperio to PastaPortuguesa [link] [comments]


2016.10.04 10:31 RafaelTomb COMO CONSEGUIR TYRANDE DE GRAÇA NO BRASIL E REGIÃO

Esse tópico é uma tradução de um tópico gringo que dizia como conseguir a Tyrande nos países que não tem como pegar o Twitch Prime de graça, e o Brasil ta incluso nessa lista. Então estou aqui para ajudar todos que não conseguem pegar o Twitch Prime de graça e consequentemente a Tyrande. Tópico original: https://www.reddit.com/hearthstone/comments/55arcq/guide_to_get_tyrande_in_the_other_200_countries/ ******Requisitos principais******** Cartão de crédito internacional (NADA SERÁ COBRADO)
Passo 1: Tenha uma conta na Twitch.tv Passo 2: Vá para o site Amazon.com e crie uma conta Se você colocou um cartão de crédito internacional válido o Amazon Prime irá ativar sem problema nenhum e muito rapidamente. Passo 3: Agora com o Amazon Prime ativado, clique em Your Account -> View Your Kindle Orders -> Settings (3a aba) -> Country Settings -> Change !!!!IMPORTANTE!!!!! Agora, na hora de colocar o seu ENDEREÇO, coloque um endereço qualquer dos ESTADOS UNIDOS (de preferência), eu usei este site para ter todas as informações necessárias: http://www.fakeaddressgenerator.com/World/us_address_generator , Este site dará TODAS as informações necessárias para atualizar o país, INCLUSIVE O NÚMERO DE TELEFONE PRECISA SER DA MESMA CIDADE/ESTADO DO CEP[ZIP]) Assim salvará que você está morando nos Estados Unidos e a Twitch não irá lhe barrar quando querer ativar o Twitch Prime PASSO MAIS IMPORTANTE Passo 4: Clique em Your Account -> Manage Payment Options, clique no Cartão de Crédito que você colocou quando criou a conta e selecione Update my account to use this card. Irá pedir para você colocar o número do cartão novamente, e depois disso pedirá o endereço: COLOQUE O MESMO QUE USOU NO PASSO 3. Passo 5: Vá para a Twitch e clique onde estiver escrito: "Tente Twitch Prime por 30 dias". NO LADO ESQUERDO SUPERIOR TEM QUE ESTAR O SÍMBOLO DOS ESTADOS UNIDOS, e se estiver, continue. Logue na sua conta que criou no Amazon.com, então logue com a sua conta da Twitch. E PRONTO! Agora você tem o Twitch Prime além de 4 brindes da Twitch, que são um código para a Tyrande, uma skin para Ymir (Smite) e uma skin para Bomb King (Paladins) (e outra não tão importante). Para ver os códigos vá em qualquer stream e veja do lado esquerdo em cima dos amigos os brindes. Além dos brindes, o Twitch Prime lhe beneficia com um SUBSCRIBE DE GRAÇA, você pode usar um subscribe de graça para o seu streamer favorito. NÃO SE ESQUEÇA: APÓS COMPLETAR TUDO E PEGAR SEUS CÓDIGOS, CANCELE O AMAZON PRIME E O TWITCH PRIME SENÃO SERÁ COBRADO EM 30 DIAS. Qualquer dúvida fiquem à vontade pra perguntar, resolvi traduzir o tópico original, pois TODA STREAM gringa TODOS estão com o Twitch Prime, e quando entrei em uma BR ninguém tinha, tanto porque não sabem inglês ou porque não tem cartão internacional. O objetivo desse tópico é mais pra pegar o Twitch Prime de graça, já que do que adianta ter uma skin pro Priest se nenhum deck dele é jogável LUL Abraços e até mais.
submitted by RafaelTomb to hearthstone [link] [comments]


'QUAL É O SEU TELEFONE?' em Inglês - YouTube NÚMEROS EM INGLÊS #3: CELULAR, ENDEREÇO, ALTURA, PESO ... Como falar o seu telefone em inglês? - YouTube COMO FALAR AO TELEFONE EM INGLÊS (Perca o medo ... Numbers from 1 to 50 in English for Children, Numeros del ... TUDO sobre números em inglês  Numbers in English - YouTube

números de telefone - Tradução em inglês - exemplos ...

  1. 'QUAL É O SEU TELEFONE?' em Inglês - YouTube
  2. NÚMEROS EM INGLÊS #3: CELULAR, ENDEREÇO, ALTURA, PESO ...
  3. Como falar o seu telefone em inglês? - YouTube
  4. COMO FALAR AO TELEFONE EM INGLÊS (Perca o medo ...
  5. Numbers from 1 to 50 in English for Children, Numeros del ...
  6. TUDO sobre números em inglês Numbers in English - YouTube

Mais detalhes sobre este vídeo abaixo! Rapidinho: 📘 MEU LIVRO https://amzn.to/2T2mRN1 ️ CURSO DE INGLÊS https://hotm.art/gavinfluency 🇺🇸 $10 FALE COM UM... Aprenda diversas frases muito úteis para falar ao telefone em inglês e perca o medo de se comunicar! Confira mais vídeos da série Survival English: https://g... Debido a cambios de youtube te agradezco el apoyo con pequeña donación, gracias! https://bit.ly/3lw3fy1 Numbers from one to fifty in english for kids to prac... Hello! Você sabe como pedir o telefone de uma pessoa, em inglês, mas sem parecer tão invasivo? No vídeo dessa semana eu vou te ensinar como perguntar e como ... Neste vídeo ensino praticamente tudo que você precisa saber sobre números em inglês: números ordinais, cardinais, datas (especificamente os anos) e números d... Esta vídeo aula é parte de uma série sobre informações pessoais. - Como falar o seu telefone em inglês. - Como falar o seu e-mail em inglês. - Como soletrar ...